As crianças e a COVID-19: como lidar com a pandemia

A atual situação em que o mundo vive, com a rápida disseminação do novo coronavírus, designado SARS-CoV-2, traz consigo muitas incertezas e bastante medo.

Esta é uma crise de saúde mundial em rápido desenvolvimento, sem precedentes para a maioria das pessoas.


O meu filho tem cancro. Quais os cuidados que devo ter? 

O conhecimento atual diz-nos que pessoas com um sistema imunitário deprimido, como as crianças e adolescentes a fazer tratamento de quimioterapia ou radioterapia, ou que terminaram há menos de 6 meses, devem ser mais prudentes perante a COVID-19.

Por isso, os doentes e as suas famílias devem ter os seguintes cuidados:

  • Lavar as mãos com frequência durante 20 segundos com água e sabão.
  • Não tocar nos olhos, boca e nariz com as mãos não lavadas.
  • Tossir ou espirrar para o cotovelo ou para um lenço de papel que deve ser imediatamente colocado no lixo
  • Lavar e desinfetar frequentemente os objetos em que tocam no dia a dia, como telemóveis, tablets, computadores, etc…
  • Evitar sair de casa e fazer ou receber visitas.

Com a pandemia da COVID-19, o que muda ao nível dos tratamentos?

Tendo em conta a pandemia e a forma como esta pode afetar os doentes oncológicos, a Direção Geral de Saúde publicou uma nova norma dedicada ao seguimento e tratamento de pacientes com cancro em época de pandemia. 

 

(Clique para aceder à norma da DGS)

Entre algumas medidas, destaca-se:

  • Os institutos portugueses de oncologia não devem prestar cuidados a doentes suspeitos ou positivos para COVID-19; os pacientes devem ser transferidos para outros hospitais que tenham serviços de oncologia aptos para receber pacientes infetados; 
  • Os doentes oncológicos infetados pelo coronavírus ficam com o tratamento quimioterápico suspenso até que a infeção seja tratada;
  • Em relação à radioterapia, se possível, o tratamento deve ser adiado; nessa impossibilidade, os pacientes deverão ser transferidos para hospitais capacitados para tratar doentes com COVID-19 que tenham radioterapia.

No que diz respeito à dispensa de medicamentos na farmácia do hospital, excecional e temporariamente, poderá ser efetuada por:

  • Dispensa presencial na farmácia do hospital (com possibilidade de agendamento)
  • Dispensa na farmácia comunitária (escolhida pelo doente)
  • Ou através da entrega ao domicilio

Esta é uma medida que visa proteger as pessoas em situação de maior vulnerabilidade, como é o caso das crianças com cancro.

Como funciona? Veja aqui 

Circular Normativa N.º 005/CD/550.20.001 – Orientações sobre acesso de proximidade a medicamentos dispensados em regime ambulatório de farmácia hospitalar no atual contexto de pandemia por COVID-19

Despacho n.º 4270-C/2020 – Diário da República n.º 69/2020, 3º Suplemento, Série II de 2020-04-07


Como posso explicar ao meu filho o que é a COVID-19?

Se nós próprios enquanto adultos temos alguma dificuldade em entender o impacto desta pandemia, imagine o quão confusa é esta questão para as crianças.

A pensar nisso, a Ordem dos Psicólogos Portugueses criou várias ferramentas para ajudar os pais a lidar com as dúvidas, ansias e frustrações dos seus filhos, nesta época de grandes incertezas.

(Saiba mais, clicando na imagem)

Segundo a organização, é fundamental que os progenitores utilizem informações claras e reais, com palavras adaptadas à idade das crianças, limitando a sua exposição a notícias.

O importante? Certificar-se de que a criança compreendeu corretamente a mensagem que quis passar.

De acordo com o guia “COVID-19: Como explicar a uma criança a importância das medidas de distanciamento social e isolamento?”, primeiramente os pais devem elucidar a criança sobre o que é o vírus e como é que este se transmite.

Fazer com que a criança sinta que pode ser um agente de saúde publica, explicando-lhe como se pode proteger a si mesma e aos outros, também é muito importante.

Por outro lado, validar os sentimentos de ansiedade, medo, frustração e aborrecimento da criança também é essencial, sendo certo que os progenitores devem encorajar os filhos a ter uma atitude positiva, transmitindo-lhes segurança e confiança.

Como é sabido, as crianças podem responder ao stress de maneiras diferentes, pelo que é importante saber como lidar com estas questões.

(Clique na imagem para jogar)

Numa vertente mais divertida, embora igualmente educativa, a Direção Geral de Saúde lançou o “STOP Contágio”, um jogo interativo dirigido a toda a família.

Com várias ilustrações e dicas, o jogo consiste num conjunto de perguntas e respostas que testam o conhecimento de toda a família acerca do novo coronavírus.

 

 

Em parceria com a Sociedade Portuguesa de Oncologia, a equipa do projecto europeu UM Cure 2020, da Fundação Calouste Gulbenkian, desenvolveu uma brochura sobre a COVID-19 e a doença oncológica. O material foi adaptado pela Acreditar e pode ser livremente consultado aqui: A COVID-19 e a Doença Oncológica

Para além desse material, existe também outro, o Guia Infantil para Crianças sobre o Coronavirus, desenvolvido por Manuela Molina.


Durante esta fase, estão a ser tomadas medidas para apoiar as famílias afetadas pelo cancro? 

De forma a ajudar a garantir que, durante esta pandemia, as crianças com doença oncológica são tratadas com os melhores cuidados possíveis, a Fundação Rui Osório de Castro fez um donativo, no valor de 100 mil euros, destinado à compra de um ecógrafo para o serviço de cuidados intensivos pediátricos do Hospital CHUC – Pediátrico de Coimbra, equipamento de proteção individual e de desinfeção e outros bens ou equipamentos que possam vir a ser identificados como necessários pelos três centros de referência de oncologia pediátrica que existem em Portugal e pelas famílias das crianças com doença oncológica.

A solução desinfetante da HOVIONE chega também às famílias com crianças em tratamento. Foi entregue na Acreditar para as crianças que lá se encontram alojadas, e aos hospitais de dia de oncologia pediátrica do IPOLisboa, Hospital Pediátrico de Coimbra e Hospital de São João, no Porto, onde se conseguirá abastecer as famílias que lá se deslocam para tratamento. Contamos entregar também no IPO do Porto brevemente.

Já o Núcleo Regional do Norte da Liga Portuguesa Contra o Cancro criou uma linha de apoio a doentes oncológicos em regime de isolamento social. Através do número 800 919 232, disponível das 08h30 às 17h30, de 2ª a 6ª feira, os doentes oncológicos poderão ter acesso a apoio social e económico, entrega de refeições, compra e entrega de bens alimentares, entrega de medicação hospitalar ou de farmácia em casa, consultas de psico-oncologia, aconselhamento jurídico e informação técnica e científica sobre o novo coronavírus.

 

 


Como manter a família ocupada durante esta quarentena?

(Clique para aceder ao conteúdo)

A pensar nas famílias que se encontram em quarentena ou nos doentes que se encontram em internamento, o Hospital de São João, no Porto, lançou a iniciativa #ficaOcupadosaojoao, que tem como objetivo disponibilizar um conjunto de recursos informativos, de organização de rotinas saudáveis e de ocupação diária.

 

 

 


Em casa ou na rua

Para um regresso à normalidade sem correr riscos, a Direção Geral da Saúde divulgou um manual, intitulado “Saúde e Atividades Diárias – medidas gerais de prevenção e controlo da COVID-19” onde estão reunidas as principais regras para um dia a dia mais seguro em tempos de pandemia.


Partilhe a sua experiência connosco!

É mãe ou pai de uma criança com doença oncológica? E está em casa em isolamento social? O seu testemunho pode ajudar!

Como organiza o dia a dia, o que sente, sugestões, soluções, tudo o que acha que pode ser útil a outros pais ou cuidadores que se encontrem na mesma situação.

Envie-nos o seu texto, fotografia, vídeo, o que quiser para info@froc.pt

O seu testemunho será partilhado no PIPOP e nas páginas da FROC nas redes sociais.

 


Outras informações

Para informações atualizadas sobre o COVID-19 e outras recomendações sugerimos que consulte as páginas criadas especificamente para o tema:

Fonte: Fundação Rui Osório de Castro

Comments are closed.
Newsletter