Robot permite que menino com leucemia “frequente” a escola

Um menino que luta contra uma leucemia pode agora assistir a aulas a partir da sua cama de hospital, graças a uma tecnologia fornecida por uma instituição de caridade.

Atualmente, Oscar Saxelby-Lee, de 5 anos, está internado no Hospital Infantil de Birmingham, no Reino Unido, após ter sido submetido a um transplante de medula óssea.

Mas, e graças a um equipamento robótico chamado AV1, o menino pode assistir às aulas e interagir com os seus colegas da Escola Primária de Pitmaston.

Os colegas de Oscar podem agora interagir com o menino. – Fonte: DR

O robot foi fornecido pelo Grace Kelly Childhood Cancer Trust, uma organização que ajuda crianças com cancro e os seus familiares.

“O que o Grace Kelly Childhood Cancer Trust fez foi mágico. O meu filho está muito contente”, conta Olivia, a mãe de Oscar.

“Ele agora pode conviver com os colegas, assistir às aulas, no fundo, continuar o seu percurso escolar, apesar de estar numa cama de hospital”.

O menino pode assistir às aulas através de um tablet. – Fonte: DR

“Foi uma honra poder ajudar o Oscar. Ver a felicidade estampada no seu rosto quando ele viu os colegas foi incrível”, disse Jen Kelly, do Grace Kelly Childhood Cancer Trust.

Carinhosamente chamado de Ozzybot, o robot foi desenvolvido por uma empresa norueguesa.

Para alem de conter uma camera, um microfone e um altifalante, o aparelho pode ser movido e usado para atividades externas, como visitas de estudo ou festas de aniversário.

“Infelizmente, existem outras crianças que estão na mesma situação do Oscar. Desde que esta iniciativa se tornou publica, já fomos abordados por famílias cujos filhos também estão internados em hospitais, com cancro, que se sentem isolados. A longo prazo, esperamos também ajudar estas crianças”.

Oscar foi diagnosticado com leucemia em dezembro de 2018; caso o menino não encontrasse um dador de medula, poderia não sobreviver.

Mas, quando a sua história foi partilhada nas redes sociais, mais de 5 mil pessoas apareceram na sua escola primária para ajudar a criança a encontrar um dador de medula compatível.

Fonte: Worcester News

Comments are closed.
Newsletter