Tratamento de crianças com cancro pode melhorar com dieta e exercício

Mesmo quando as pessoas são sujeitas a tratamentos contra o cancro, coisas aparentemente simples como uma dieta adequada e exercícios podem ajudar a aumentar o sucesso do tratamento e levar a uma recuperação bem-sucedida.

A conclusão foi retirada de um artigo publicado na revista Pediatrics Research, a propósito de um estudo realizado pela Universidade do Texas, nos Estados Unidos.

Segundo os investigadores, a dieta e o exercício também têm um forte potencial para melhorar a eficácia da quimioterapia, bem como reduzir o risco de efeitos secundários tardios em pacientes com cancro pediátrico.

Esta pesquisa abre a porta para determinar de que forma o equilíbrio de energia, que é uma combinação da dieta e do exercício de um indivíduo, pode ser implementado de forma eficaz juntamente com o tratamento para o manejo ou tratamento da obesidade.

No total, os investigadores analisaram 67 estudos – incluindo 32 ensaios clínicos em pacientes pediátricos – bem como dados de diferentes pacientes diagnosticados com diferentes tipos de cancro.

A pesquisa incluiu pacientes com leucemia linfoblástica aguda, tumores cerebrais e rabdomiossarcoma.

Os investigadores também destacaram os mecanismos celulares através dos quais o balanço de energia afeta o crescimento do tumor.

O propósito do estudo

De acordo com a autora do estudo, Joya Chandra, o seu objetivo na condução da pesquisa foi descobrir o que funciona para os pacientes pediátricos no que diz respeito tanto à dieta quanto aos exercícios.

“O objetivo da investigação foi delinear entre a redução da obesidade como uma meta para intervenções de equilíbrio de energia versus simplesmente mudar a dieta ou adicionar exercícios”, disse.

“Por exemplo, este estudo confirmou que modificar a dieta ou adicionar exercícios moderados pode melhorar a eficácia da quimioterapia, independente da perda de peso.”

A pesquisa também confirmou que seguir uma dieta pobre e um estilo de vida sedentário afeta negativamente a probabilidade de recuperação do paciente.

Na verdade, os investigadores confirmaram que esses dois fatores levam à obesidade. No entanto, a ligação entre tumores em diferentes tipos de cancro e a forma como a dieta e o exercício adequados podem afetá-los ainda precisa de ser analisada.

De acordo com os cientistas, há muitos fatores diferentes que precisam ser considerados aquando da criação de um programa de exercícios personalizado para os pacientes.

Estes incluem o tipo de tumor, o estado de saúde do paciente e a frequência e duração do exercício a ser realizado.

“O exercício durante o tratamento é seguro e melhora a aptidão física em pacientes. Temos vários ensaios clínicos em andamento, incluindo um teste de intervenções de exercício em pacientes com tumor ósseo”, afirmaram os cientistas.

Novas possibilidades de tratamento

Esta pesquisa lança uma nova luz sobre o que é possível durante a administração do tratamento em pacientes com cancro pediátrico.

O conhecimento comum determina que as intervenções de dietas especiais geralmente não fazem parte de tal tratamento, apesar do fato de ser encorajado que os pacientes tenham uma dieta saudável enquanto estão a ser tratados.

Por enquanto, os investigadores continuarão a realizar testes, particularmente na administração de intervenções nutricionais, assim como na trajetória do peso em todos os pacientes.

Esta pesquisa também irá analisar outros fatores, como o impacto da intervenção na dieta e nos exercícios sobre a eficácia da quimioterapia, o risco de toxicidade a longo prazo para a leucemia e o osteossarcoma.

Embora tudo possa parecer contra-intuitivo, os dados da pesquisa sugerem que existem benefícios em fazer exercício e ter uma dieta saudável, mesmo durante o tratamento do cancro.

Fonte: Food News

Comments are closed.