Adolescentes: taxas de sobrevivência mostram progresso “inconsistente”

Um novo estudo publicado no JNCI Cancer Spectrum descobriu que os aumentos na sobrevivência ao cancro de adolescentes e adultos jovens são prejudicados por disparidades contínuas ao nível da raça, etnia e status socioeconómico.

Os padrões sugerem que a maioria dos aumentos recentes de sobrevivência nesta faixa etária foram impulsionados por melhorias nos tratamentos para VIH e cancros relacionados.

Um relatório publicado em 2006, denominado Closing the Gap, relatou que de 1977 a 1997, adolescentes e adultos jovens (pessoas entre os 15 e os 39 anos) demonstraram uma alarmante falta de melhoria na sobrevida ao cancro, em comparação com outras faixas etárias.

O relatório serviu como um apelo à ação.

Posteriormente, vários grupos trabalharam para melhorar os resultados para adolescentes e adultos jovens com cancro; esses esforços incluíram iniciativas específicas de pesquisa e o estabelecimento de um comitê de disciplina de oncologia para esse grupo etário.

Este último estudo, que analisou um período de tempo mais recente, entre 1988 e 2014, mostrou que em pessoas com idades entre os 30 e os 34 anos com cancro, a taxa de sobrevida a 5 anos aumentou 20,6% em homens e 4,2% em mulheres; em pessoas com idades entre os 35 e os 39 anos de idade, a taxa de sobrevida a 5 anos aumentou 18,9% para pessoas do sexo masculino e 4,2% para pessoas do sexo feminino.

Este estudo também examinou as mudanças na sobrevida em adolescentes e adultos jovens em dois períodos de tempo: 1988 a 2000 e 2001 a 2014.

Não foram diferenças na sobrevida entre os períodos de tempo para adolescentes e adultos jovens com sarcoma de ossos / tecido mole, carcinoma de ovário, tumor de células germinativas, cancro do estômago, cancro testicular, cancro da tireoide e cancro uterino.

Os tipos de cancro que mostraram a maior melhoria na sobrevida entre os dois períodos de tempo foram o sarcoma de Kaposi, a leucemia mieloide crónica e o linfoma não-Hodgkin.

Não houve tipos de cancro que tiveram pior sobrevida após o ajuste de fatores de confusão; ainda assim, tanto o sarcoma de Kaposi como o linfoma não-Hodgkin são cancros que afetam desproporcionalmente pessoas com VIH.

Subgrupos de adolescentes e adultos jovens que apresentaram piora na sobrevida entre os dois períodos de tempo incluíram pessoas negras com sarcoma ósseo / de partes moles, mulheres com idades entre os 20 e 24 anos com cancro cervical e adolescentes e adultos jovens com cancro cervical.

As melhorias na sobrevida no sarcoma de Kaposi e no linfoma não-Hodgkin foram mais evidentes em pessoas que pertencem a grupos socioeconómicos mais elevados. Além disso, as melhorias na sobrevida em casos de cancro do cérebro, colorretal, testicular, estômago e melanoma foram maiores entre indivíduos caucasianos.

Em comparação com adolescentes e jovens adultos caucasianos, pacientes de raça negra tinham um maior risco de morrer cancro, uma disparidade presente em quase todos os tipos de cancro; este grupo foi seguido por asiáticos e latinos.

Em todos os tipos de cancro, os pacientes mais pobres tiveram um risco aumentado de morte em comparação com aqueles de um nível socioeconómico mais elevado.

O maior fator de risco para morte em adolescentes e jovens adultos foi o estágio da doença, com aqueles com um cancro em estágio mais avançado a apresentarem os piores resultados.

Segundo os cientistas, a diferença negativa de melhoria de sobrevivência observada neste grupo etário de 1977 a 1997 foi essencialmente impulsionada pelo aumento de cancros relacionados com o VIH, pelo menos em homens.

Embora a lacuna histórica na melhoria da sobrevivência dentro dessa faixa etária tenha sido amplamente encerrada com o advento do tratamento efetivo para o VIH, adolescentes e jovens adultos continuam a ser uma população vulnerável e com desafios únicos.

“Estes resultados destacam a necessidade de uma pesquisa contínua para pessoas que pertencem a esta faixa etária vulnerável”, disse a principal autora do estudo, Diana Moke.

“Esta pesquisa é necessária para melhorar a sobrevida em alguns tipos de cancro que não mostraram nenhum progresso recente, encontrar novas terapias para doença em estágio avançado para todos os tipos de cancro e garantir que as melhorias de sobrevivência atinjam todos os pacientes jovens, independentemente da raça, etnia ou condição socioeconómica”.

Fonte: Eurekalert

Comments are closed.
Newsletter

Últimas Newsletters
Ir para Arquivo