St. Jude identifica novos subtipos de leucemia

Tal como os cartógrafos que completam um mapa, investigadores identificaram vários novos subtipos do cancro infantil mais comum – a leucemia – numa pesquisa que, provavelmente, irá melhorar o diagnóstico e o tratamento de pacientes de alto risco.

Cientistas do St. Jude Children’s Research Hospital, nos Estados Unidos, lideraram o estudo que foi publicado na revista Nature Genetics.

Através da análise genómica integrada, incluindo sequenciamento de RNA, os investigadores conseguiram definir a “paisagem genómica” da leucemia linfoblástica aguda de células B em quase 2 mil crianças e adultos.

Este é o tipo de mais comum de leucemia linfoblástica aguda e o cancro mais comum em crianças.

Os investigadores identificaram 23 subtipos de leucemia linfoblástica aguda de células B, incluindo 8 novos subtipos, com características genómicas e clínicas distinta. Mais de 90% dos casos de leucemia linfoblástica aguda de células B podem agora ser categorizados por subtipo, em comparação com 70% há alguns anos.

“A leucemia linfoblástica aguda de células B tem uma notável diversidade molecular, que nós e outros usamos para refinar a classificação e impulsionar o desenvolvimento de medicamentos de precisão para melhorar o tratamento”, disse Charles Mullighan, um dos investigadores.

Uma nova alteração que define o subtipo

Alterações do gene do fator de transcrição PAX5 definiram dois novos subtipos, incluindo o PAX5 P80R, como a primeira leucemia linfoblástica iniciada por uma mutação pontual.

“Enquanto mutações secundárias são necessárias e muitas vezes envolvem sinalização de quinase, nós mostrámos que essa mutação de ponto prejudica o desenvolvimento de células linfoides B e promove o desenvolvimento de leucemia linfoblástica aguda de células B em ratos”, explicaram os cientistas.

O outro subtipo de PAX5 foi definido por diversas alterações no gene, incluindo mutações de sequência ou rearranjos com um dos outros 24 genes.

Juntos, os subtipos do PAX5 representavam quase 10% dos casos não categorizados de leucemia linfoblástica aguda de células B.

Os novos subtipos incluem uma variedade de alto risco da doença, mas que ocorre principalmente em adultos.

Rastreando a expressão génica

O estudo demonstrou a capacidade de sequenciamento de RNA para identificar múltiplos tipos de alterações genómicas, destacando a utilidade desta técnica para o diagnóstico de leucemia, particularmente quando o sequenciamento do genoma completo não está disponível.

Exemplos neste estudo incluíram rearranjos cromossómicos que resultam em genes de fusão, perfis de expressão génica e outras alterações.

“Através deste estudo, dois terços dos pacientes com leucemia linfoblástica aguda de células B podem ser classificados em diferentes subtipos com distintos perfis de alterações genéticas e características clínicas; isso pode acelerar substancialmente o desenvolvimento de tratamentos personalizados para esses pacientes”, afirmaram os investigadores.

“Também estabelecemos um robusto encanamento de classificação da leucemia linfoblástica aguda de células B baseado principalmente em dados de sequenciamento de RNA que podem ser integrados ao diagnóstico clínico da leucemia linfoblástica aguda”.

“Enquanto clínico, posso afirmar que estes dados que descrevem a diversidade de subtipos de leucemia linfoblástica aguda de células B vão-nos permitir refinar as nossas habilidades de prognósticas para pacientes individuais e, em última instância, levarão ao desenvolvimento de novas terapias direcionadas que tratarão mais eficazmente a doença e, esperemos, com menos efeitos secundários”.

Fonte: Eurekalert

Comments are closed.
Newsletter