Sobreviventes: tratamento com antraciclinas aumenta risco de cancro da mama

Mulheres sobreviventes de cancro infantil que foram tratadas com altas doses de antraciclinas têm um risco de desenvolver cancro de mama ao longo da vida semelhante ao de pessoas com mutações hereditárias, de acordo com um novo estudo publicado no Journal of Clinical Oncology.

Atualmente, está já estabelecido que a radioterapia torácica é um fator que aumenta o risco de cancro da mama em sobreviventes, mas o papel das antraciclinas é ainda desconhecido.

A nova pesquisa, realizada pelo St Jude Children’s Research Hospital, nos Estados Unidos, acompanhou 1 467 mulheres, todas inscritas no programa St Jude Lifetime Cohort Study, que tinham mais de 18 anos e que haviam sido diagnosticadas com cancro infantil há, pelo menos, 10 anos. 56 participantes, com uma idade média de 38,6 anos, foram diagnosticadas com cancro da mama.

O estudo dividiu as participantes em 3 grupos: no primeiro grupo, as sobreviventes não tinham sido sujeitas a tratamentos com antraciclinas; no segundo grupo, as mulheres haviam recebido uma dose total de medicação abaixo de 249 mg / m2 e, no terceiro grupo, uma dose de 250 mg / m2 ou mais.

As sobreviventes que receberam as doses mais elevadas de antraciclinas tiveram uma incidência cumulativa de cancro da mama de 7% aos 35 anos e de 46% aos 50 anos.

“Tem havido uma série de estudos sobre o risco de cancro da mama em sobreviventes de cancro infantil, sendo que a maioria identificou a radioterapia como um fator de risco predominante”, disse Matthew Ehrdhart, o principal autor do estudo.

“Observámos um risco semelhante associado às antraciclinas em vários modelos estatísticos que se ajustaram a outras exposições a quimioterápicos, radioterapia e predisposição genética e, portanto, estamos confiantes de que as antraciclinas contribuem exclusivamente para o risco de cancro da mama em sobreviventes de cancro infantil”, acrescentou.

Os investigadores usaram uma dose superior a 250 mg / m2 para definir os sobreviventes que foram sujeitos a uma alta exposição a antraciclinas.

O resultado óbvio deste estudo parece ser recomendar o rastreio de cancro da mama para sobreviventes de cancro infantil; ainda assim, os cientistas enfatizaram que mais estudos, e mais discussão, são necessários antes de serem elaboradas novas diretrizes.

“A magnitude do risco que observámos em relação às doses de antraciclina de 250 mg / m2, ou mais, é semelhante àquela relacionada a doses mais altas de radioterapia torácica em sobreviventes de cancro infantil ou às mutações de BRCA na população em geral”.

O mecanismo de ação das antraciclinas é complexo, mas é possível que haja um aumento do risco dependente de dose para o risco de cancro da mama – em vez de um limite máximo – sendo que doses menores de antraciclinas ainda conferem um risco aumentado de cancro da mama.

“Tendo em conta os resultados do nosso estudo, e de outros realizados anteriormente, acredito que existem argumentos convincentes que mostram que doses mais altas de antraciclinas, como 250 mg / m2 ou mais, promovem o desenvolvimento de cancro da mama em sobreviventes de cancro infantil. Ainda assim, precisamos de definir o risco para pessoas que tiveram exposições intermédias às antraciclinas antes de chegarmos a alguma conclusão”, explicou o Dr. Ehrhardt.

Atualmente, não existem orientações específicas sobre o rastreio do cancro da mama após exposições à antraciclina, mas já existem vários esquemas estabelecidos para chegar a um consenso sobre quais cuidados são apropriados para os sobreviventes de cancro infantil, incluindo um sobre os efeitos tardios realizado pelo Children’s Oncology Group.

“Estamos a planear esforços colaborativos para combinar estes resultados com os de vários outros estudos publicados recentemente. Essas análises combinadas permitirão uma melhor compreensão dos efeitos conjuntos das antraciclinas e de outros tratamentos sobre o risco de cancro da mama, e se esse risco varia, por exemplo, pelo subtipo de cancro da mama”, disse Lindsey Morton, do National Cancer Institute norte-americano.

Além do histórico de tratamento anterior, há outros fatores a serem considerados ao decidir se e quando iniciar o rastreio do cancro da mama em mulheres sobreviventes de cancro infantil.

“Há consenso entre os especialistas de que mulheres jovens que têm fatores de risco para cancro da mama devem começar a triagem com mamografia anual e ressonância magnética numa idade mais jovem do que o recomendado para as mulheres da população em geral”, disse Lisa Kenney, do Dana-Faber Cancer Institute.

“Todos os fatores de risco conhecidos para o cancro da mama são levados em conta ao recomendar o rastreio para sobreviventes de cancro, incluindo o historial médico e familiar e outros antecedentes, como a radioterapia ou a quimioterapia”, acrescentou.

O uso de antraciclinas para alguns cancros infantis, como certos tipos de leucemia, tem diminuído significativamente nas últimas décadas. Mas, para alguns tipos de malignidades, ainda são dadas altas doses que continuam a ser consideradas essenciais para o sucesso do tratamento.

Só nos Estados Unidos, existem mais de 400 mil sobreviventes de cancro infantil; o St Jude Children’s Research Hospital tem programas robustos de acompanhamento a longo prazo. Mas como podem estes resultados ser aplicados a outros centros e usados ​​para beneficiar sobreviventes que talvez sejam mais velhos e menos propensos a se envolver com cuidados de acompanhamento a longo prazo?

“Nós recomendamos fortemente que todos os sobreviventes tenham acesso a um resumo do seu tratamento contra o cancro. Para além disso, também recomendamos que todos os sobreviventes devem receber um acompanhamento relacionado ao tipo de cancro que tiveram e que ultrapassaram, seja por meio de um programa de acompanhamento de longo prazo ou por meio do seu provedor de cuidados primários. Quando os pacientes têm acesso a um resumo dos seus tratamentos anteriores contra o cancro, podem ter conversas com os seus profissionais de saúde para entender de que forma as novas pesquisas podem afetar os seus cuidados de acompanhamento”, afirmou Lisa Kenney.

Os cientistas pretendem agora dar início a mais investigações, nomeadamente colaborações internacionais que permitam a inclusão de mais sobreviventes.

“Com os recentes avanços na genómica e nos esforços de colaboração internacional para combinar dados de múltiplos estudos sobre cancros secundários relacionados ao tratamento, este é o momento ideal para conseguirmos melhorar os cuidados a longo prazo para sobreviventes de cancro infantil”, concluíram os investigadores.

Fonte: Cancer Therapy Advisor

Comments are closed.
Newsletter