Sobreviventes: será o exercício útil na recuperação?

Para o crescente número de sobreviventes de cancro em todo o mundo, existem evidências crescentes de que o exercício é uma parte importante da recuperação. Mas quanto e que tipo de exercício é necessário?

Uma recente pesquisa, realizada por um grupo internacional de especialistas liderado pela Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, resultou no desenvolvimento de novas diretrizes de exercícios para sobreviventes de cancro.

As recomendações atualizadas, publicadas na revista Medicine & Science in Sports & Exercise, descrevem “prescrições de exercícios” específicas para tratar os efeitos secundários comuns, como ansiedade e fadiga, associados ao diagnóstico e tratamento do cancro.

Em geral, as novas diretrizes recomendam que os sobreviventes realizem um treino aeróbico e de resistência por aproximadamente 30 minutos por sessão, três vezes por semana. Este é um desvio das diretrizes anteriores, publicadas há quase uma década, que aconselhavam os sobreviventes a cumprir as diretrizes gerais de saúde pública: 150 minutos de exercício por semana.

“O exercício tem sido considerado como uma maneira segura e útil para os sobreviventes de cancro reduzirem o impacto do tratamento na sua saúde física e mental, mas o tipo e a quantidade precisos de exercícios para tratar os diversos resultados de saúde relacionados ao tratamento ainda não eram claros”, disse a principal autora do artigo, Kristin Campbell.

“Na falta dessas informações, os sobreviventes de cancro foram aconselhados a se esforçar para cumprir as diretrizes gerais de saúde pública, uma quantidade de atividade física que pode ser difícil para as pessoas realizarem durante ou após o tratamento oncológico”.

As novas recomendações são baseadas numa revisão e análise substantivas do crescente corpo de evidências científicas no campo. Desde que as primeiras diretrizes foram apresentadas em 2010, houve mais de 2 500 ensaios clínicos sobre o exercício em sobreviventes de cancro – um aumento de 281%.

O novo artigo é apenas um dos três artigos publicados que resumem os resultados de uma mesa redonda internacional que explora o papel do exercício na prevenção e controlo da doença; a mesa redonda reuniu um grupo de 40 especialistas internacionais multidisciplinares de várias organizações que realizaram uma revisão completa e atualizada das evidências sobre os efeitos positivos do exercício na prevenção, gerenciamento e recuperação do cancro.

Juntos, os três documentos oferecem novas recomendações baseadas em evidências para incorporar exercícios nos planos de prevenção e tratamento e introduzem uma nova iniciativa Moving Through Cancer, liderada pelo Colégio Americano de Medicina Desportiva, para ajudar clínicos em todo o mundo a implementar essas recomendações.

Fonte: Eurekalert

Comments are closed.