Sobreviventes: radioterapia torácica aumenta risco de cancro da mama

Sobreviventes de cancro infantil que foram tratados com radioterapia torácica podem ter um risco aumentado de desenvolver cancro da mama.

As diretrizes do Children’s Oncology Group recomendam a mamografia anual com ressonância magnética, mas os benefícios e custos dessas triagens são incertos. Um estudo de modelagem apresentado na Reunião Anual da ASCO de 2019 descobriu que a triagem de sobreviventes em risco reduz a mortalidade e é custo-efetiva.

Os investigadores usaram dois modelos de simulação de cancro da mama da Rede de Modelagem de Intervenção e Vigilância do Cancro e dados do Childhood Cancer Survivor Study para analisar os riscos de mortalidade entre os sobreviventes de cancro infantil.

Foram simuladas rês estratégias de rastreamento: mamografia anual com ressonância magnética a partir dos 25 anos, ressonância magnética anual a partir dos 25 anos e mamografia bienal a partir dos 50 anos.

Entre uma amostra de sobreviventes de 25 anos tratados com radioterapia torácica, o risco de mortalidade por cancro da mama durante a vida na ausência de rastreamento foi de 10% a 11%.

Comparado com o não rastreio, as estratégias de rastreio de evitaram muitos óbitos, de acordo com os investigadores.

Os autores concluíram que, para sobreviventes de cancro infantil tratados com radioterapia torácica, iniciar uma triagem anual numa idade mais jovem poderia prevenir mais de 50% das mortes relacionadas com o cancro da mama.

Fonte: Doc Wires

Comments are closed.
Newsletter