Sobreviventes em maior risco de sofrerem tromboembolismo venoso

Sobreviventes de cancro infantil enfrentam um aumento 25 vezes maior de desenvolver tromboembolismo venoso nos primeiros 5 anos após o diagnóstico, em comparação com a população em geral.

De acordo com um estudo publicado no Journal of Clinical Oncology, este aumento do risco continua ao longo de sua vida útil.

Este foi o primeiro estudo a avaliar o risco a longo prazo de tromboembolismo venoso em sobreviventes de cancro.

A investigação incluiu 24 355 sobreviventes de cancro infantil e 5051 irmãos que participaram do Childhood Cancer Survivor Study.

Os diagnósticos dos participantes foram feitos entre 1970 e 1999, tiveram uma mediana de idade no último seguimento de 28,7 anos e uma média de acompanhamento desde a idade de diagnóstico de 21,3 anos.

A incidência cumulativa de tromboembolismo venoso aos 35 anos após o diagnóstico foi de 4,9% para os sobreviventes e de 2,4% para os irmãos.

Sobreviventes com maior risco de tromboembolismo venoso tardio foram mulheres sobreviventes que eram obesas ou com baixo peso. Sobreviventes de osteossarcoma, sobreviventes expostos à cisplatina e sobreviventes que desenvolveram cancro ativo também apresentaram um maior risco.

O diagnóstico de tromboembolismo venoso também foi associado a um aumento do risco de mortalidade.

“Os profissionais de saúde devem estar cientes da incidência de tromboembolismo venoso entre os sobreviventes de cancro”, escreveram os autores, que encorajaram o desenvolvimento de intervenções, particularmente para pacientes obesos.

Comments are closed.
Newsletter

Últimas Newsletters
Ir para Arquivo