Riscos causados por transplantes de medula têm diminuído nos últimos anos

Os transplantes de medula óssea podem ser tratamentos que salvam vidas; contudo, e como qualquer tratamento, também podem trazer vários riscos à saúde.

Mas agora, investigadores trazem boas notícias: os riscos causados pelos transplantes de medula óssea têm vindo a diminuir ao longo dos anos.

O risco geral de morte após este tipo de transplantes diminuiu 34% entre 2003-2007 e 2013-2017, de acordo com uma análise publicada na revista Annals of Internal Medicine.

Estes ganhos resultam de um declínio acentuado nas complicações relacionadas ao transplante, disse o autor do estudo, George McDonald, membro emérito do Fred Hutchinson Cancer Research Center, nos Estados Unidos. O risco de morrer por essas complicações – principalmente devido a infeções e doenças que envolvem órgãos como o fígado, os rins e os pulmões – caiu de 30% para 11% nos últimos 25 anos.

O risco de morte por recidiva de cancro também diminui, embora essa diminuição não seja tão acentuada; os investigadores notaram que a recidiva continua a ser um grande desafio na área dos transplantes.

O estudo credita os resultados aprimorados a pequenos e constantes avanços feitos nos centros de transplante por um elenco diversificado de médicos, enfermeiros e especialistas em todas as principais disciplinas médicas.

“Acredito que todos os profissionais de saúde e investigadores trabalham arduamente para diminuir os riscos causados pelos transplantes”, disse George McDonald, que fez o seu primeiro transplante de medula óssea num paciente em 1972.

Os transplantes de medula óssea são tratamentos que salvam vidas a pacientes com cancro do sangue e outras doenças. Durante esses procedimentos, os pacientes são submetidos a quimioterapia e / ou radioterapia para “destruir” a sua medula óssea doente e impedir a rejeição de células doadoras. As células estaminais saudáveis ​​e formadoras de sangue de um doador são administradas diretamente na corrente sanguínea do paciente.

Para o estudo atual, os investigadores analisaram os resultados de 1 148 pacientes submetidos a um transplante entre 2003 2007; de seguida, compararam os resultados a 1 131 pacientes que realizaram um transplante de medula óssea entre 2013 2017. A amostra mais recente era mais velha e mais doente aquando do seu transplante; no entanto, os resultados após o transplante foram melhores do que os do grupo operado primeiro.

Para os cientistas, existem vários fatores que estão associados a estas melhorias, como métodos aprimorados para prevenir, detetar e tratar infeções virais, fúngicas e bacterianas que ameaçam pacientes transplantados comprometidos por imunidade; o uso de quimioterapia e radioterapia menos tóxicas; e a aplicação de doses mais baixas de prednisona.

No futuro, o estudo acredita que novas pesquisas clínicas de especialistas em doenças infeciosas e doenças hepáticas, renais e pulmonares ajudarão a reduzir o risco de morte por complicações relacionadas ao transplante para um dígito.

O desafio mais difícil será, reiteram os cientistas, evitar as recidivas.

“Agora que reduzimos significativamente a mortalidade, temos uma plataforma para implementar tratamentos diferentes para evitar recidivas ou tratar evidências precoces de doenças recorrentes. Daqui a 10 anos, a taxa de recidiva deve, e acredito que vai diminuir”, lê-se no estudo.

Fonte: Medical Xpress

Comments are closed.
Newsletter