Prémio europeu distingue empresa lusa por técnica inovadora para multiplicação de células estaminais

A StemCell2Max, uma empresa portuguesa de biotecnologia que desenvolveu uma técnica inovadora de multiplicação de células estaminais, acaba de receber um prémio europeu no valor de 50 mil euros. 
As células estão a ser usadas em investigação e podem, no futuro, ajudar no tratamento do cancro.
Criada há cerca de um ano, esta é a primeira empresa portuguesa biotecnológica da área da saúde a receber um financiamento da Comissão Europeia (CE), tendo sido escolhida entre 1 995 projetos.
Filipa Matos Baptista, cofundadora da StemCell2Max, destaca que este projeto é “revolucionário” e permite já hoje que as universidades tenham células estaminais suficientes para investigar doenças como o cancro, a diabetes, a sida ou o Ébola.
A responsável adiantou ainda que a empresa, que nasceu do Instituto de Medicina Molecular de Lisboa (IMM), pretende também chegar ao mercado clínico e oferecer uma alternativa mais eficaz aos transplantes de medula.
De acordo com Filipa Matos Baptista, a entrada no mercado pode, por exemplo, no futuro, assegurar uma alternativa à medula óssea e ajudar os cerca de 20% dos doentes com cancro do sangue que não encontram dador compatível, sendo esta apenas uma das aplicações da multiplicação de células estaminais do sangue, presentes no cordão umbilical.
Este artigo foi úlil para si?
SimNão

Deixe um comentário

Newsletter