Peso ao nascer pode influenciar risco de desenvolver alguns tipos de cancro pediátrico

Um alto ou um baixo peso ao nascer pode estar associado a um maior risco de desenvolvimento de certos tipos de cancro pediátrico, de acordo com um estudo publicado no International Journal of Cancer.

Os cientistas encontraram associações entre um alto peso ao nascer e um risco aumentado de leucemia linfoblástica aguda (LLA), linfoma de Burkitt, tumores renais e tumores de células germinativas. A equipa também encontrou uma associação entre baixo peso ao nascer e um aumento do risco de tumores hepáticos.

Para este estudo, os investigadores analisaram dados de 6 569 pacientes pediátricos com cancro do Registo de Cancro do Texas, nos Estados Unidos, e de 33 317 indivíduos controlo. A maioria dos diagnósticos de cancro pediátrico (73%) ocorreu antes dos cinco anos de idade.

Os dados apurados mostraram que um baixo peso ao nascer foi associado a um maior risco de tumores hepáticos, incluindo hepatoblastoma.

Um baixo peso ao nascer também foi associado a um menor risco de LLA, mas não houve associações significativas para leucemia mieloide aguda ou doenças mieloproliferativas crónicas.

Ter um baixo peso ao nascer foi relacionado com um menor risco de linfoma de Hodgkin e linfoma não-Hodgkin. Não houve associação significativa para linfoma de Burkitt.

O baixo peso ao nascer foi associado a um menor risco de tumores renais e sarcomas de tecidos moles, mas não de rabdomiossarcoma. Adicionalmente, também foi associado a um menor risco de tumores de células germinativas, incluindo tumores malignos de células germinativas gonadais.

Não houve associações significativas para outros tumores de células germinativas, tumores do sistema nervoso central, neuroblastoma, retinoblastoma ou outros tumores epiteliais.

Já um alto peso ao nascer foi associado a um maior risco geral de leucemia, mas não de leucemia mieloide aguda ou doenças mieloproliferativas crónicas. O alto peso ao nascer foi associado também a um maior risco de linfoma de Burkitt, mas nenhum outro linfoma.

Ter alto peso ao nascer foi ainda associado a um maior risco de tumores renais, de tumores de células germinativas em geral e tumores malignos de células germinativas extracranianas e extragonadais, mas nenhum outro tumor de células germinativas.

Não houve associações significativas para quaisquer tumores do sistema nervoso central, neuroblastoma, retinoblastoma, tumores hepáticos, tumores ósseos, sarcomas de tecidos moles ou outros tumores epiteliais.

Os investigadores também notaram diferenças nas associações baseadas na raça/etnia materna. Por exemplo, o baixo peso ao nascer foi associado a um risco significativamente maior de neuroblastoma em crianças com mães negras não-hispânicas, mas não em crianças com mães brancas hispânicas ou não-hispânicas.

“Os nossos dados sugerem que o crescimento fetal está associado ao risco de vários tipos de cancro infantil e que fatores socioculturais e ambientais podem modificar essas relações complexas”, concluíram os cientistas.

Fonte: Cancer Therapy Advisor

Comments are closed.
Newsletter