Perigo de cancro secundário é prevalente entre sobreviventes de cancro infantil

Um estudo canadiano sugere que os sobreviventes de cancro infantil têm maior probabilidade de desenvolver um cancro secundário.

Ainda que seja considerado raro, o cancro infantil é a segunda maior causa de morte entre crianças canadianas, ultrapassado apenas por mortes relacionada a lesões. Em média, mais de 900 crianças são diagnosticadas todos os anos com cancro no Canadá.

Felizmente, e devido aos avanços no diagnóstico e tratamento, 83% das crianças diagnosticadas com cancro neste país sobrevivem.

Embora o número de jovens sobreviventes esteja a aumentar, pesquisas anteriores mostraram que esta população pode estar em risco de desenvolver um cancro secundário. Para quantificar esse risco, os cientistas analisaram crianças e jovens com menos de 20 anos que foram diagnosticados com cancro entre 1992 e 2014.

Publicado na revista EClinicalMedicine, o estudo incluiu mais de 70% da população afetada pelo cancro infantil.

Os investigadores recolheram dados do Canadian Cancer Registry, que incluíram mais de 22 635 crianças e adolescentes; os vários tipos de cancro, o sexo, a idade na altura do diagnóstico e o tempo do tratamento foram analisados ​​e considerados ao revisar as estatísticas.

O risco de um sobrevivente de cancro infantil desenvolver um cancro secundário foi 6,5 vezes maior que o esperado.

Para a maioria dos cancros, o risco de recidiva diminuiu a cada ano.

Em 40% dos casos, o aparecimento de um cancro secundário ocorreu nos primeiros 5 anos após o diagnóstico original. Verificou-se que as mulheres apresentavam maior risco do que os homens de desenvolver um cancro secundário; os cientistas acreditam que isso ocorrer devido à maior incidência de cancro da mama e da tiroide.

Apesar dos resultados, mais pesquisas são necessárias para investigar os fatores de risco para o desenvolvimento de um cancro secundário.

Fonte: Medical News Bulletin

Comments are closed.
Newsletter