Perfil genético informa sobreviventes sobre risco de cancro da mama

Sobreviventes do cancro infantil têm um risco aumentado de desenvolver cancro da mama na idade adulta, em comparação com a população em geral.

Este aumento do risco tem sido largamente atribuído aos regimes de tratamento do cancro, como a irradiação torácica e / ou a exposição a agentes quimioterapêuticos em altas doses.

Investigadores do St. Jude Children’s Research Hospital explicam que a triagem atual desta população depende de tratamentos e doses usadas para tratar o cancro infantil.

Estes mesmos especialistas já haviam descoberto que os sobreviventes de cancro infantil têm um risco aumentado de cancro da mama subsequente se os sobreviventes portarem mutações patogénicas, como mutações no gene BRCA1.

Tendo isso em conta, tentaram investigar as contribuições para o risco de cancro da mama subsequente considerando o quadro completo da suscetibilidade genética à doença, que inclui variantes genéticas comuns com pequenos efeitos além de mutações P / LP.

Os investigadores analisaram dados de sequenciamento de genoma completo para 1 133 sobreviventes de cancro infantil de descendência europeia. Destes sobreviventes, 47 desenvolveram um ou mais cancros da mama subsequentes.

O estudo criou uma pontuação de risco poligénico (PRS) para os sobreviventes individuais calculando a soma ponderada de 170 alelos comuns de risco de cancro da mama presentes no genoma de cada sobrevivente.

Para além disso, foi também avaliada a presença de mutações em P / LP em 11 genes predispostos ao cancro da mama. As taxas relativas de incidência subsequente de cancro da mama também foram estimadas.

Após uma análise multivariada, os investigadores descobriram que os sobreviventes no quintil mais alto do PRS tinham um risco 2,7 vezes maior de desenvolver cancro da mama subsequente em comparação com os sobreviventes no quintil mais baixo.

Os sobreviventes tratados com irradiação torácica tinham um risco ainda maior.

Sobreviventes portadores de mutações P / LP tiveram aumento de 21,8 vezes no risco de cancro da mama.

“O PRS pode identificar indivíduos com alto risco de cancro da mama que não têm mutações patogénicas conhecidas, pelo que os nossos resultados indicam que ambos os determinantes poligénicos e mutações raras de grande efeito contribuem para o risco de cancro da mama subsequente de forma independente”, explicaram os cientistas.

Notavelmente, o PRS foi significativamente associado ao risco de desenvolver cancro da mama subsequente somente em mulheres com menos de 45 anos de idade.

Mutações P / LP foram definidas como mutações nos seguintes genes de predisposição para cancro da mama: BRCA1, BRCA2, TP53, PTEN, CDH1, STK11, NF1, PALB2, ATM, CHEK2 e NBN.

Os autores argumentam que os resultados sugerem que a triagem poligénica pode informar sobre a vigilância personalizada do cancro da mama em mulheres sobreviventes de cancro infantil.

Segundo o estudo, publicado no Clinical Cancer Research, este método pode ser utilizado no cenário clínico para melhorar a identificação de sobreviventes de alto risco para permitir a deteção precoce e a potencial prevenção do cancro da mama subsequente”.

Comments are closed.
Newsletter