Oscar, o pai que atravessa os mares em memória do filho

Um pai natural do sul da Flórida, nos Estados Unidos, decidiu aceitar o desafio de uma vida para homenagear o legado do seu filho, Sebastian, que perdeu a batalha contra um rabdomiossarcoma quando tinha apenas 16 anos.

Oscar Ortiz irá, durante 7 dias, remar cerca de 160 milhas, sozinho, num caiaque, de forma a ajudar a angariar dinheiro para crianças que estejam a lutar contra o cancro.

“O meu caiaque tem fotos de centenas de crianças cujas vidas foram ceifadas pelo cancro. Uma delas é a do meu filho, o Sebastien, que está aqui, do meu lado esquerdo, bem junto ao meu coração. Durante esta jornada tenho falado muito com ele”.

Apesar do tempo agreste que se faz sentir, Oscar não se deixa intimidar.

“Esta é uma jornada longa e difícil, mas a quimioterapia a que aquelas crianças são sujeitas também o é, e elas não desistem. Por isso, eu também não vou desistir”.

Oscar perdeu o seu filho em 2016; antes de Sebastien ser diagnosticado com cancro, este pai nunca se tinha apercebido do quão negligenciada a pesquisa sobre o cancro infantil é, nem de que forma a falta de recursos é um problema.

“O Sebastien só tinha uma opção de tratamento disponível. E esse tratamento foi brutalmente tóxico e incrivelmente agressivo. Foram mais de 30 sessões de quimioterapia, 23 de radioterapia e 4 cirurgias. Infelizmente, em apenas 14 meses, o meu filho morreu.”

De acordo com a National Pediatric Cancer Foundation, apenas 4% do orçamento anual do National Cancer Institute, nos Estados Unidos, é direcionado para a pesquisa e tratamentos do cancro infantil. Tendo em conta esta realidade, Oscar criou a Sebastian Strong, uma organização que tem como foco financiar pesquisas direcionadas para o cancro infantil.

“O plano era fazermos isto juntos, eu e o meu filho. Acreditámos que ele ia recuperar e que íamos criar esta organização, mas a vida não quis que fosse dessa forma”, revela, bastante emocionado.

Este pai espera agora que seja possível desenvolver novos tratamentos, menos tóxicos e mais direcionados.

Enquanto isso não acontece, Oscar continuará a fazer de tudo para que as atenções estejam viradas para o cancro infantil, seja através de palestas ou remando milhas infinitas…

“O meu filho está comigo. Eu sinto-o. E só espero que ele esteja orgulhoso do pai”.

Fonte: CBS

Este artigo foi úlil para si?
SimNão
Comments are closed.
Newsletter