Os planos para aumentar a sobrevivência ao cancro infantil

Em setembro de 2018, a Organização Mundial de Saúde (OMS) anunciou a criação de um novo projeto, a Global Initiative for Childhood Cancer, ou Iniciativa Global para o Cancro Infantil, que visa atingir uma taxa global de sobrevivência de 60% até 2030, poupando assim mais um milhão de vidas.

A World Child Cancer, uma instituição de caridade internacional que trabalha para apoiar crianças com cancro em todo o mundo, está agora a colaborar com a OMS para desenvolver planos para implementar esta iniciativa.

Anualmente, em todo o mundo, mais de 300 mil crianças desenvolvem cancro, sendo que a sua probabilidade de sobrevivência varia muito consoante o seu país natal; com o aumento da incidência desta doença, uma das mais incríveis histórias de sucesso no tratamento do cancro é o aumento das taxas de sobrevivência do cancro infantil em países desenvolvidos.

No Reino Unido, por exemplo, o número de crianças que sobrevivem ao cancro mais do que duplicou nos últimos 40 anos – atualmente, cerca de 80% das crianças sobrevive. Por outro lado, as taxas de sobrevivência nos países em desenvolvimento permanecem extremamente baixas, com alguns a terem uma taxa de sobrevivência de apenas 10%.

Esta desigualdade é a principal força motriz por detrás do trabalho do World Child Cancer; a instituição está a promover grandes avanços na melhoria das probabilidades de crianças com câncer oriundas de países em desenvolvimento, implementando soluções sustentáveis ​​e de longo prazo que melhorem o diagnóstico, tornem o tratamento mais eficaz e acessível e melhorem o suporte disponível.

A World Child Cancer está a ser capaz de fazer isto fazer parcerias com as principais unidades de oncologia pediátrica do mundo; esta abordagem está bem documentada como a maneira mais bem-sucedida de desenvolver serviços de oncologia pediátrica nos países em desenvolvimento.

Essas parcerias, juntamente com o desenvolvimento de equipas multidisciplinares, fornecem uma transferência valiosa de conhecimentos que melhoram a capacidade e promovem o conhecimento sustentável ​​de médicos e enfermeiros nos países em desenvolvimento.

Além disso, a World Child Cancer desenvolve cuidados holísticos para as famílias, apoia os custos do tratamento, fornece equipamentos e financia os postos essenciais da equipa. Para melhorar as condições a longo prazo, a instituição promove programas de consciencialização e está em contato permanente com formuladores de políticas nacionais e estrangeiras.

De acordo com alguns dados, a proporção de mortes infantis por cancro está a aumentar. A Organização Mundial da Saúde reconhece que as doenças não transmissíveis são uma prioridade emergente para a saúde infantil global. O cancro já é uma das principais causas de morte de crianças entre os cinco e os 14 anos de idade em países em desenvolvimento.

O cumprimento das metas da OMS

Existem vários fatores a serem abordados para que a meta da Iniciativa Global para o Cancro Infantil seja atingida. Crianças com cancro em países em desenvolvimento enfrentam inúmeras barreiras de acesso ao tratamento, incluindo sistemas de saúde subdesenvolvidos, um número limitado de profissionais de saúde e pobreza geral, os quais contribuem para baixas taxas de sobrevivência. O acesso precário à educação, assistência médica e equipamentos técnicos também criam barreiras adicionais para as crianças que recebem diagnósticos de cancro.

Embora haja muito trabalho a ser feito para atingir a meta da Organização Mundial de Saúde, a World Child Cancer já mostrou que as taxas de sobrevivência podem ser significativamente aumentadas.

Um dos programas mais desenvolvidos da instituição está presente no Gana, onde, há mais de uma década, foram feitas grandes melhorias nos serviços de oncologia pediátrica. Nos primeiros cinco anos do programa, as taxas nacionais de diagnóstico triplicaram de 100 para 310 casos por ano e, no principal hospital parceiro da instituição, as taxas de sobrevivência de certos tipos de cancro aumentaram de 20% para 62%. Com base no sucesso deste programa, em dezembro de 2018, a World Child Cancer iniciou uma parceria de três anos com a UBS Optimus Foundation, com o objetivo de estender a experiência no desenvolvimento de oncologia pediátrica para alcançar crianças em vários países da África Ocidental.

Várias organizações já estão a trabalhar no sentido de melhorar os serviços de oncologia pediátrica na África Ocidental, porém os esforços são localizados e fragmentados, sendo necessária uma maior coordenação de intervenções para maximizar o impacto. Além disso, poucos protocolos foram adaptados para os desafios enfrentados pelos clínicos que gerenciam o cancro em ambientes com recursos limitados.

Barreiras no acesso à quimioterapia e a medicamentos para cuidados de suporte restringem ainda mais o tratamento eficaz; o mau gerenciamento de dados dificulta o aprendizado e o aprimoramento das práticas. Muitos países da África Ocidental também têm assistência de enfermagem com poucos recursos e apenas um ou dois oncologistas pediátricos que atendem a todo o país. Poucos governos fornecem apoio financeiro para o tratamento do cancro infantil.

À medida que a carga do cancro infantil aumenta, aumenta também a necessidade vital de um novo projeto colaborativo que fortaleça os sistemas de saúde e forneça tratamentos de alta qualidade.

A necessidade de uma maior eficácia

Como parte do projeto, que se encontra no seu primeiro ano, a World Child Cancer está a apoiar o desenvolvimento do primeiro Centro de Excelência da África Ocidental para a Oncologia Pediátrica no Hospital de Ensino Korle Bu, Gana.

O Centro é líder em questões de treino para melhorar o diagnóstico e o tratamento do cancro infantil na África Ocidental, hospedando profissionais que se queiram especializar como oncologistas pediátricos. Todas as solicitações de treino são necessárias para obter apoio dos respetivos Ministérios da Saúde, que se comprometem a fornecer os recursos e fundos necessários para estabelecer a oncologia pediátrica no país de origem – ampliando significativamente o alcance do projeto.

A fim de melhorar o acesso das crianças ao tratamento e diminuir as taxas de abandono de tratamento, a World Child Cancer está a fortalecer o centro por meio de um fundo de medicamentos que reduzirá a carga financeira para as famílias que, de outra forma, muito provavelmente não teriam forma de pagar.

A instituição também está a desenvolver novos métodos de apoio psicossocial no centro para garantir que as famílias sejam bem acompanhadas emocionalmente. O centro fornecerá um modelo replicável de melhores práticas para demonstrar de que forma o cancro infantil pode ser tratado com sucesso e com boa relação custo-benefício em países em desenvolvimento, construindo evidências para pressionar o governo do Gana a fornecer serviços de oncologia pediátrica a longo prazo.

Também está em andamento um projeto que pretende ajudar no reconhecimento de sinais de alerta precoce para o cancro infantil, principalmente nas comunidades rurais, para aumentar as taxas de referência e diagnóstico.

Com estas intervenções, o projeto visa construir evidências sobre as práticas mais eficazes de tratamento do cancro infantil.

A maioria das pesquisas sobre o cancro infantil é conduzida em países desenvolvidos e reflete a experiência do tratamento em ambientes com bons recursos, frequentemente tornando-o de uso limitado em países em desenvolvimento; este projeto será adicionado ao que é um corpo relativamente pequeno de literatura em todo o mundo e também fortalecerá a capacidade de pesquisa no Hospital de Ensino Korle Bu, para que evidências geradas localmente e contextualmente relevantes possam ser usadas para advogar pelo desenvolvimento de políticas.

Através de mais parcerias, será possível desenvolver novos programas de pesquisa, monitorizar e avaliar esses projetos, melhorar a recolha de dados e estabelecer as bases para garantir o financiamento futuro de pesquisas em oncologia pediátrica.

O que ainda falta fazer

Nos últimos 10 anos, a World Child Cancer ajudou mais de 25 mil crianças com cancro a ter acesso a melhores tratamentos e possui fortes bases e apoio para aumentar ainda mais esse número.

A organização foi recentemente selecionada para apresentar um apelo no UK Aid Match que permitirá que se comece a trabalhar num novo país – o Nepal.

Para alcançar as mais de 1 200 crianças que devem desenvolver cancro a cada ano no Nepal, o projeto vai concentrar-se no treino especializado de profissionais de saúde, na consciencialização sobre os sinais precoces de cancro infantil e no fornecimento de apoio psicossocial e financeiro às famílias mais vulneráveis.

Os centros que fornecem quimioterapia de manutenção também serão estabelecidos em duas cidades adicionais.

Globalmente, a World Child Cancer continuará a trabalhar com os seus parceiros para melhorar a qualidade dos cuidados na área da oncologia pediátrica, procurando soluções que sejam sustentáveis ​​e relevantes localmente.

A defesa dos direitos de crianças com cancro também vai continuar a ser o foco principal da organização.

Através dos seus programas, a World Child Cancer pretende ajudar a aumentar as taxas de diagnóstico e diminuir as taxas de abandono do tratamento.

A World Child Cancer tem planos ambiciosos de crescimento e visa apoiar 10 mil crianças por ano até 2023, garantindo que mais crianças sobrevivam ao cancro.

Fonte: SciTech Europa

Comments are closed.
Newsletter