Novo exame pode beneficiar crianças com tumores cerebrais

Crianças com cancro serão poupadas a tratamentos desnecessariamente agressivos, graças a um novo exame que pode prever a rapidez com que os tumores crescerão, dizem os médicos.

O teste foi aclamado como um grande avanço no sentido de adaptar os tratamentos para o cancro do cérebro às necessidades de pacientes individuais e prevê-se que melhore as taxas de sobrevivência.

“Este é um grande passo em direção à introdução de um tratamento mais personalizado para pacientes com tumores cerebrais infantis”, disse o Andrew Peet, oncologista pediátrico na Universidade de Birmingham, no Reino Unido, e principal autor do estudo.

“Avaliar a agressividade desses tumores num estágio inicial ajudará a garantir que o tratamento não seja mais tóxico do que o necessário, reduzindo os efeitos secundários nos pacientes e melhorando a sua qualidade de vida”.

Embora as taxas de sobrevivência tenham melhorado constantemente para tumores cerebrais infantis, com 75% dos pacientes a viverem além de 5 anos, prever com precisão de que forma a doença progredirá em pacientes individuais permanece um desafio.

A necessidade de adaptar os tratamentos é particularmente aguda em crianças, que são as mais vulneráveis ​​aos efeitos secundários da radioterapia e dos fármacos.

A equipa fez biópsias a tumores cerebrais infantis de 114 pacientes que foram tratados no hospital e cujos resultados foram rastreados ao longo de 5 anos. No final do estudo, 79 pacientes estavam vivos e 35 haviam morrido.

A análise descobriu que os níveis de gorduras e outro produto químico, chamado glutamina, eram indicadores diretos do quão agressivo seria um tumor. Quanto mais glutamina um tumor continha, menos agressivo ele seria; quanto mais lipídios um tumor tivesse, mais agressivo seria.

O estudo também descobriu que uma ressonância magnética, projetada para captar assinaturas químicas do tumor, poderia ser usada para medir com precisão as concentrações de glutamina e lipídios.

“Esse tipo de refinamento ajudará as crianças a obter um tratamento melhor”, disseram os cientistas.

Poppy Guilder, de 16 anos, foi uma das crianças que participou no estudo; a jovem foi diagnosticada com um tumor no cérebro quando tinha apenas 14 meses de idade. Após a cirurgia para remover o tumor, uma biópsia sugeriu que o tumor era benigno. No entanto, o tumor foi muito mais agressivo do que o esperado e voltou a crescer dentro de sete semanas.

“A qualidade das informações naquela época era má. Se soubéssemos estas coisas quando começámos a tratá-la, o seu percurso teria sido muito diferente”.

Após tratamento intensivo e múltiplas cirurgias durante a infância, o tumor de Poppy encontra-se estável.

“Precisamos urgentemente de um melhor entendimento desses tumores difíceis de tratar, para que os médicos possam considerar a prescrição de tratamentos adicionais ou a inclusão de crianças em ensaios clínicos de novos tratamentos mais cedo, dando-lhes uma maior possibilidade de sobrevivência”.

Fonte: The Guardian

Comments are closed.
Newsletter