Mamografias: a melhor opção para sobreviventes de cancro infantil?

Mulheres sobreviventes de cancro infantil que foram tratadas com radiação torácica, como sobreviventes de linfoma de Hodgkin, têm um risco maior de desenvolver cancro da mama mais tarde na vida, em comparação com a população em geral.

Para atenuar esse risco, as diretrizes atuais recomendam que mulheres sobreviventes de linfoma de Hodgkin façam, anualmente, exames de mamografia e ressonância magnética a partir dos 30 anos.

No entanto, Lauren Tessier e Jill Furzer, investigadoras do Instituto de Política de Saúde, Gestão e Avaliação, no Canadá, lideraram um estudo que sugere que o rastreio mamográfico, para além de ressonância magnética, para este grupo é uma estratégia dispendiosa que fornece benefícios adicionais limitados na prevenção do cancro, em comparação com fazer apenas uma ressonância magnética.

“As mamografias não são tão sensíveis como a ressonância magnética, em termos de capacidade para procurar novos tumores, especialmente em mulheres com menos de 50 anos, e muitas vezes há uma taxa de adesão muito baixa nesta população de mulheres”, explicaram as cientistas.

“Os resultados mostram que as diretrizes devem ser mais específicas para o perfil de risco específico de um indivíduo e que os sobreviventes de linfoma de Hodgkin infantil irão, provavelmente, beneficiar caso o rastreio comece a ser feito antes dos 30 anos de idade”.

Este estudo, que começou como um projeto de pós-graduação sobre os serviços de saúde, tornou-se numa análise sobre aplicações do mundo real que foi recentemente publicada no Journal of the National Cancer Institute.

As investigadoras descobriram que a triagem com ressonância magnética e mamografia aos 30 anos de idade é, em média, mais cara e menos eficaz do que a triagem usando apenas ressonância magnética.

Também se verificou que, aos 25 anos, a adição de uma ressonância magnética ao rastreamento mamográfico também acrescenta custos significativos sem uma mudança significativa na expetativa de vida ou qualidade de vida de um sobrevivente.

“Tentámos determinar quais os tratamentos ou estratégias de triagem que fornecem valor em termos de qualidade de vida e longevidade para estes pacientes, além de garantir a sustentabilidade do sistema em termos de financiamento público para esses serviços”.

“Em oncologia pediátrica, há efeitos positivos a curto prazo, porque evitamos que as crianças recidivem; no entanto, muitos reconhecem que há implicações a longo prazo que podem ser relacionadas ao tratamento. É por isso que estudos como este são úteis para estimar os efeitos a longo prazo ao longo da vida de sobreviventes de cancro infantil, incluindo os custos para o sistema de saúde”, disse Petros Pechlivanoglou, docente no do Instituto de Política de Saúde, Gestão e Avaliação.

“O nosso objetivo não é apenas focarmo-nos nos custos, mas criar um melhor sistema de saúde e resultados para todos os que o usam, agora e no futuro”.

Fonte: Medical Xpress

 

Comments are closed.
Newsletter