Jovens e mulheres com cancro desejam cada vez mais ser mães

O diretor do Serviço de Ginecologia do Instituto Português de Oncologia (IPO) de Coimbra, Daniel Pereira da Silva, revelou que cada vez mais jovens e mulheres com cancro desejam ser mães, uma situação que traz “grandes desafios” aos médicos que têm que equacionar um tratamento que não afete a fertilidade.

Segundo o responsável, o aumento da incidência do cancro da mama em mulheres jovens, resultante do diagnóstico precoce, veio realçar o problema associado ao facto de a quimioterapia, dependendo das substâncias utilizadas, poder comprometer definitivamente a fertilidade da mulher.

O especialista revelou que existem tratamentos hormonais que podem prejudicar o combate ao cancro e que os tratamentos oncológicos, sobretudo a quimioterapia, podem afetar de forma irreversível a capacidade reprodutora das mulheres, impedindo o sonho da maternidade.

Na opinião de Daniel Pereira da Silva, o grande desafio que se coloca aos clínicos na atualidade é conseguir assegurar tratamentos eficazes em mulheres com cancro que querem ter filhos e, ao mesmo tempo, garantir que o sistema reprodutivo destas não vai ser afetado, o que implica, necessariamente, a escolha de terapias alternativas e menos agressivas.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Newsletter