Investigadores testam nova abordagem contra meduloblastoma

O meduloblastoma, o cancro cerebral mais comummente diagnosticado em crianças, pode ter origem em anormalidades biológicas nas células estaminais neurais ou nos precursores neuronais durante o desenvolvimento embrionário.

Na verdade, os desafios clínicos da resistência ao tratamento e recidiva do tumor em pacientes com meduloblastomas parecem estar relacionados com a presença de células estaminais cancerígenas nos tumores de meduloblastoma.

Cientistas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e do Instituto do Cancro Infantil, ambos no Brasil, em colaboração com investigadores do Hospital for Sick Children e da Universidade de Toronto, no Canadá, analisaram a expressão génica em tumores de meduloblastoma e demonstraram que todos os subtipos de tumor de meduloblastoma expressam dois marcadores de células estaminais, as proteínas BMI1 e CD133.

Quando o ADN está compactado na cromatina, a expressão de genes que promovem a diferenciação celular é reduzida, mantendo assim as células cancerígenas num estado semelhante aos das células estaminais.

No estudo, os cientistas trataram as células de meduloblastoma com um composto epigenético que inibiu a atividade da histona desacetilase, levando ao relaxamento da cromatina.

Desta forma, a equipa descobriu que poderia reduzir a expressão da BMI1 e da CD133, dificultando a viabilidade celular das células.

Análises adicionais de amostras de tumores revelaram que a expressão desses marcadores parecia estar associada à atividade da via de sinalização intracelular da proteína quinase ativada por mitogénio (MAPK) / ERK.

Para testar a importância da sinalização de MAPK / ERK na carcinogénese, os cientistas examinaram os efeitos da inibição de MAPK / ERK em células de meduloblastoma; ao fazerem-no, descobriram que a inibição de MAPK / ERK reduziu o conteúdo celular de alguns marcadores e diminuiu a formação de células estaminais cancerígenas.

É importante ressaltar que esses efeitos anti-tumorais foram potencializados quando as células tumorais foram expostas a inibidores de HDAC e de MAPK / ERK ao mesmo tempo.

De acordo com a investigadora principal, Mariane da Cunha Jaeger, “estas descobertas sugerem que a combinação de inibidores de HDAC e MAPK / ERK pode ser uma abordagem nova e eficaz para prevenir a proliferação celular do meduloblastoma, alterando o fenótipo de células estaminais tumorais. ”

“Estamos concentrados em encontrar oportunidades de tradução que possam ser exploradas em estudos clínicos inovadores para o cancro infantil”.

Fonte: Technology Networks

Comments are closed.
Newsletter