Gustavo, o sobrevivente que distribuiu flores pela equipa médica

A semana passada acabou de uma forma muito especial para o pequeno Gustavo, de apenas 6 anos, que viveu os últimos 3 anos “preso” a uma rotina de internamentos e sessões de quimioterapia para tratar uma leucemia.

Mas, e depois de todo este tempo, o menino foi finalmente sujeito à sua última ronda de quimioterapia, uma “vitória” para todos aqueles que acompanharam o percurso de Gustavo.

Por isso, e como forma de celebrar este marco, o jovem apareceu no Hospital Oncológico Infantil Octávio Lobo, no Brasil, com uma placa nas mãos, onde anunciava o fim do seu tratamento.

Mas anunciar que aquela era a sua última sessão de quimioterapia não chegava; Gustavo queria agradecer a todos aqueles que cuidaram de si e, por isso, o rapaz, acompanhado pelos seus pais, distribuiu flores por toda a equipa da ala de Oncologia Pediátrica onde realizou os seus tratamentos.

“O sucesso desta jornada não teria sido possível sem o apoio de todos os profissionais. Engane-se quem acredita que a caminhada se faz sozinha. Todos aqueles afetados pelo cancro sabem que os médicos, os enfermeiros, os auxiliares são fundamentais. E, no nosso caso, essas pessoas foram sempre incansáveis, esforçadas e, acima de tudo, preocupadas com o meu filho. E isso será algo que nunca esquecerei”, disse, emocionada, a mãe de Gustavo.

Para a equipa, a surpresa de Gustavo foi o ponto alto do dia.

“A atitude do Gustavo deixou-nos, a todos, muito felizes. É bom ver o nosso trabalho reconhecido por aqueles que são tratados por nós. O Gustavo é uma criança muito especial, com quem criámos uma ligação muito forte. Estamos todos muito felizes por ele”, confidenciou Arielle Lima, uma das enfermeiras que tratou de Gustavo.

Com o final das sessões de quimioterapia, a próxima etapa do tratamento para o pequeno Gustavo é o acompanhamento com médicos pediatras e oncopediatras através de consultas e exames mensais.

Depois disso, e se tudo correr bem, o intervalo entre uma consulta e outra será alargado, até serem completados 5 anos, altura em que os pacientes recebem a alta definitiva do tratamento.

Fonte: Diário Online

Este artigo foi úlil para si?
SimNão
Comments are closed.
Newsletter