Descoberto novo fator de desenvolvimento do linfoma infantil

Um estudo publicado na revista Blood, investigou 4 pacientes de famílias independentes com malignidade, autoimunidade e imunodeficiência.

Todos os 4 pacientes tiveram uma mutação na linha germinativa no gene que codifica CD137, o que levou a uma disfunção da proteína coreceptora CD137. Essa disfunção prejudicou fatores cruciais para a vigilância imunológica, em particular para a prevenção de infeções virais e o desenvolvimento de linfoma associado à infeção pelo vírus Epstein-Barr.

“Não apenas descobrimos uma nova síndrome de predisposição tumoral particularmente para linfomas infantis neste estudo, como também aprendemos mais sobre a função básica do CD137 no sistema imunológico”, disseram os investigadores

Os coreceptores desempenham um papel fundamental na regulação e no ajuste fino da força do sinal dos chamados recetores de antígeno, que ajudam as células imunitárias a reconhecer corpos estranhos.

Uma função prejudicada desses recetores imunes pode levar a uma suscetibilidade aumentada a infeções, distúrbios autoimunes e cancro. CD137 ou 4-1BB é uma molécula co-estimuladora que é frequentemente expressa em células T ativadas para garantir uma função adequada das células T.

Estudos recentes também investigaram o CD137 como um alvo atraente para a imunoterapia contra o cancro.

O vírus Epstein-Barr é um vírus do herpes que infecta mais de 90% de todas as pessoas e permanece latente no corpo por toda a vida. Em indivíduos com função prejudicada das células T, a infeção pelo vírus Epstein-Barr pode levar a distúrbios linfo-proliferativos até linfomas malignos.

“É muito empolgante ver como preenchemos a lacuna da análise genética profunda para entender a resposta imune interrompida, em particular a infeção pelo vírus Epstein-Barr “, disse uma das investigadoras, Marini Thian.

Doenças causadas por um defeito num único gene podem fornecer oportunidades únicas para investigar as consequências de tais erros para todo o organismo. Assim, os cientistas podem obter perceções mecanicistas sobre as vias de sinal necessárias para uma vigilância imune robusta do hospedeiro contra o vírus Epstein-Barr.

Em resumo, este estudo demonstra o papel principal do CD137 no controlo do vírus Epstein-Barr pelo sistema imunitário.

Se o corpo falhar em manter o vírus sob controlo, isso pode levar ao desenvolvimento de linfomas.

No futuro, os cientistas querem usar as suas descobertas para desenvolver e usar terapêuticas direcionadas que possam parar esse processo perigoso da doença.

Fonte: Eurekalert

Comments are closed.
Newsletter