Cuidadores deviam “usufruir da licença para acompanhamento de filho com doença oncológica paga a 100%”

A Acreditar – Associação de Pais e Amigos das Crianças com Cancro defende que os pais que tenham filhos com doença oncológica possam ter licença para acompanhamento dos menores paga a 100%. A associação alerta também para o impacto que a inflação teve nos rendimentos dos portugueses e para as dificuldades financeiras que pais de crianças com cancro estão a atravessar.

“Seria muito importante que os cuidadores pudessem usufruir da licença para acompanhamento de filho com doença oncológica paga a 100% (tal como no caso dos doentes com cancro) e que, sobretudo em fases mais críticas do percurso, ambos os pais pudessem usufruir dessa licença”, defende a Acreditar num comunicado.

“A inflação que tem deteriorado os rendimentos dos portugueses tem um impacto muito grande nos pais ou cuidadores das crianças com cancro”, advertiu Margarida Cruz, diretora-geral da Acreditar.

“E, por isso, sentimos um número crescente de pedidos de apoio e um pedido de aumento dos valores médios dos nossos apoios económicos e alimentares”, acrescentou a responsável, adiantando que, no domínio do apoio em cabazes de alimentos que dão em cartões de supermercado, já reviram os valores.

Relativamente aos apoios económicos, Margarida Cruz considera que a revisão dos valores a pagar pela segurança social a estas famílias compensaria de alguma forma as suas necessidades.

O apelo é feito a propósito do Dia Internacional da Criança com Cancro, assinalado a 15 de fevereiro. A Acreditar aborda as preocupações dos pais, em que os apoios sociais estão no “topo das preocupações”, dos sobreviventes e de alguns profissionais que trabalham na oncologia pediátrica.

“Em Portugal, há cerca de 400 novos diagnósticos por ano. Apesar da taxa de sobrevivência ser de 80%, o cancro pediátrico, continua a ser a primeira causa de morte por doença mais frequente em crianças e adolescentes”, afirma a Acreditar.

Fonte: Lusa/Observador

Este artigo foi úlil para si?
SimNão
Comments are closed.
Newsletter