Cocktail de fármacos personalizado pode ser a esperança para crianças com tumores cerebrais agressivos

Os hospitais infantis da Universidade de São Francisco, nos Estados Unidos, estão a aproveitar a tecnologia genómica de última geração para desenvolver uma espécie de cocktails de medicamentos individualizados para crianças com um tipo de tumor cerebral maligno.
Esta abordagem de medicina de precisão oferece uma nova estratégia no tratamento do glioma de alto grau, um cancro cerebral intratável no qual a sobrevivência se tem mantido igual ao longo de décadas.
No ensaio clinico em curso, os investigadores irão tratar até 44 crianças e jovens adultos. Os pacientes serão matriculados no Hospital Infantil de São Francisco e em outros 18 hospitais. Os cocktails serão desenvolvidos com até quatro terapias voltadas especificamente para o tumor da criança. Cada um será rastreado usando o UCSF 500 Cancer Gene Panel, que marca as mutações genéticas mais comuns do cancro; e serviços de análise e perfil molecular fornecidos pela NantHealth, que inclui o sequenciamento de todo o genoma e exoma para todo o ADN e genes, para detetar quaisquer alterações que promovam o crescimento do cancro; assim como o sequenciamento de RNA, que oferece pistas importantes sobre a expressão do gene do cancro e fusões gênicas que impulsionam a progressão deste.
O estudo será oferecido para pacientes com glioma de alto grau que inclua astrocitoma anaplásico, glioblastoma e glioma de alto grau da linha média, todos formas agressivas de tumor cerebral com poucas opções terapêuticas atuais.
“Enquanto a sobrevida para alguns cancros infantis tem vindo a melhorar desde 1970, isso não acontece em alguns tumores sólidos, incluindo tumores cerebrais pediátricos. Aprendemos muito sobre a composição molecular dos gliomas de alto grau nos últimos anos e reconhecemos que sua heterogeneidade significa que uma abordagem de tratamento abrangente não atinge a maioria dos pacientes. Esperamos que esta estratégia personalizada possa liderar o caminho para tratamentos que salvem vidas de crianças com gliomas de alto grau, bem como outros tumores cerebrais resistentes ao tratamento”, disseram os cientistas.
Aproximadamente 10% dos 4 610 tumores cerebrais e do sistema nervoso central diagnosticados a cada ano em crianças e adolescentes norte-americanos são gliomas de alto grau. Embora as técnicas cirúrgicas para tumores cerebrais tenham melhorado ao longo dos anos, alguns gliomas de alto grau são inoperáveis ou não podem ser totalmente removidos. A quimioterapia e a radiação podem prolongar a sobrevida, mas em muitos casos os tumores permanecem resistentes à remissão a longo prazo.
Tipicamente, quando uma criança com glioma de alto grau experimenta crescimento ou recorrência tumoral, os oncologistas podem propor diferentes agentes quimioterápicos ou re-irradiação após a cirurgia, mas estas terapias podem ser incompatíveis com a biologia única do tumor e não fazer nada para refrear doença, causando efeitos secundários debilitantes.
No estudo, os investigadores irão analisar amostras de tumor num laboratório especializado, onde irão “ler” a composição genética do tumor e das células normais usando um sequenciador de ADN. Quaisquer alterações genéticas podem ser combinadas com terapias direcionadas existentes ou novos agentes de estudo de fármacos em investigação que bloqueiam o crescimento do cancro ao interferir com os alvos moleculares que impulsionam a progressão.
“Uma das armadilhas na identificação dos fármacos mais adequadas para cada criança é que muitas terapias não conseguem atravessar a barreira hematoencefálica ou têm uma concentração alta o suficiente para causar um efeito biológico. Estamos a trabalhar com medicamentos que demonstraram a penetração da barreira hematoencefálica, com base em descobertas laboratoriais ou estudos clínicos anteriores”, disseram os cientistas, que também irão examinar a sequência de ADN em células saudáveis para ver se há mutações germinativas ou hereditárias que aumentem o risco de outros tipos de cancro.
Comments are closed.