Cientistas desenvolvem novo tratamento para cancro dos tecidos moles

Investigadores do Trinity College Dublin, na Irlanda, desenvolveram uma potencial nova abordagem terapêutica para o sarcoma sinovial, um dos tipos mais comuns de cancro de tecidos moles em adolescentes e adultos jovens.

Atualmente, as taxas de sobrevivência a longo prazo para pacientes com sarcoma sinovial estão abaixo dos 50%; um fato que ressalta o quão importante são estas novas descobertas para a melhoria das perspetivas de vida dos pacientes e suas famílias.

Ao usarem a tecnologia CRISPR de última geração, os cientistas identificaram a proteína BRD9 como essencial para a sobrevivência dos tumores do sarcoma sinovial; desta forma, conseguiram projetar novos medicamentos para direcionar essa proteína.

Estudos pré-clínicos realizados em ratos mostraram que um fármaco recém-desenvolvido bloqueava a progressão do tumor.

O próximo passo será testar o novo medicamento em testes clínicos feitos em pacientes, que os cientistas esperam que ocorram no futuro próximo.

No artigo publicado na revista eLife, os cientistas explicam que tentaram identificar as “vulnerabilidades moleculares” nos tumores do sarcoma sinovial.

Os pacientes com sarcoma sinovial não respondem bem às abordagens de tratamento convencionais e, portanto, como muitos outros tipos de cancro difíceis de tratar, apresentam baixas taxas de sobrevida.

Há anos que os cientistas sabem que esta doença é causada por uma mutação genética singular que ocorre em 100% dos pacientes. Essa mutação cria uma proteína prejudicial (SS18-SSX) que é responsável pelo desenvolvimento do cancro.

Como resultado, os cientistas argumentaram que, de alguma forma, impedir o SS18-SSX forneceria uma terapia ideal. Até agora, no entanto, tais abordagens não foram desenvolvidas.

No estudo atual, foram usadas tecnologias de rastreamento genómico baseadas em CRISPR para identificar potenciais vulnerabilidades terapêuticas em tumores de sarcoma sinovial.

Os cientistas encontraram uma proteína (BRD9) que é essencial para a sobrevivência das células do sarcoma sinovial.

O estudo confirmou, por meio de estudos bioquímicos em células do sarcoma sinovial, que o BRD9 se associa à proteína SS18-SSX e, assim, apoia-a na condução do desenvolvimento do cancro.

De seguida, os investigadores criaram um novo medicamento “degradador” de BRD9, e em testes pré-clínicos realizados em ratos, verificaram que a degradação da BRD9 foi bem-sucedida, conseguindo bloquear a progressão de tumores de sarcoma sinovial.

“Como o termo degradador sugere, o fármaco que criámos ‘degrada’ a proteína BRD9, removendo-a das células cancerígenas. Ela essencialmente” engana “as células para que eliminem essa proteína, que por sua vez leva à sua morte “.

“O nosso estudo demonstrou que degradar a BRD9 impede a proteína SS18-SSX, que é a causa subjacente do sarcoma sinovial. Também descobrimos que o nosso novo fármaco afeta principalmente os processos celulares importantes no sarcoma sinovial, mas não as células normais. Isso é muito importante, porque isso deve resultar em menos efeitos secundários”, explicaram.

Este artigo foi úlil para si?
SimNão
Comments are closed.
Newsletter