Células cancerígenas “adormecidas” explicam razão de recidiva anos após tratamento contra leucemia infantil

As células cancerígenas leucémicas podem “adormecer” e, assim, evitar os efeitos da quimioterapia, de acordo com uma nova investigação.

Acontece que o facto de a célula estar neste estado dormente ou não aumenta as suas probabilidades de sobreviver à quimioterapia e é completamente independente das suas mutações, como se supôs anteriormente.

A descoberta, feita em conjunto por cientistas do Institute of Cancer Research e da University College London, ambos no Reino Unido, pode ajudar a direcionar a investigação nesta área para novos tratamentos mais eficazes contra a leucemia infantil, que impedem a recidiva da doença.

As células cancerígenas têm algumas características comuns às células estaminais saudáveis ​​do corpo; ambas entram e saem de estados dormentes como parte do seu ciclo natural – quando estão dormentes, ou “adormecidas”, essas células evitam o stress ambiental, como é o caso da quimioterapia.

As células dormentes estão em estado de hibernação, sem afetar o corpo, mas também não são afetadas por fármacos que normalmente as destruiriam. Estas células conseguem este truque com o uso de bombas de ação rápida que ejetam quaisquer fármacos ou toxinas estranhas que entrem na célula.

Esta investigação inovadora, publicada na revista Nature Cancer, sugere uma resposta para o antigo enigma de o porquê de os pacientes com leucemia precisarem de entre 2 a 3 anos de terapia de manutenção após o tratamento inicial.

Os médicos devem esperar pela possibilidade de que as células cancerígenas dormentes acordem com a esperança de serem infetadas rapidamente com a quimioterapia – isso diminui as probabilidades de restabelecimento de uma grande população de células malignas.

A investigação recolheu amostras de células de leucemia antes do tratamento de 5 pacientes com leucemia infantil. A leucemia linfoblástica aguda do precursor de células B na infância é um cancro de sangue raro, que cria muitos glóbulos brancos imaturos no sangue e na medula óssea. A quimioterapia reduz o número de células cancerígenas no sangue, mas algumas células conseguem sobreviver. Conhecer o perfil das células sobreviventes é essencial para o desenvolvimento de tratamentos mais direcionados.

Antes da quimioterapia, a equipa classificou fisicamente células raras individuais dos pacientes que apresentavam marcadores de dormência; de seguida, os cientistas traçaram o perfil dessas células raras para mutações e compararam-nas com uma árvore genealógica de perfis de mutação feita a partir da amostra original.

As descobertas mostraram que, em ramos específicos da árvore genealógica que surgiram de mutações, as células dormentes existiam em toda a árvore genealógica.

Os investigadores concluíram que características mutacionais e genética não podem determinar se uma célula cancerígena estaria num estado dormente no momento em que a quimioterapia é introduzida.

“Muito provavelmente, estas células entram e saem de um estado de dormência frequentemente, sendo que aquelas que estão dormentes no momento da quimioterapia são as que sobrevivem”, disse Mel Greaves, o principal autor da investigação e chefe adjunto da Divisão de Patologia Molecular do Institute of Cancer Research.

A equipa da da University College London, liderada por Tariq Enver, obteve resultados paralelos em testes de células que sobreviveram à quimioterapia – os cientistas implantaram células leucémicas humanas em ratos e, em seguida, administraram aos animais quimioterapia semelhante à que os pacientes humanos recebem.

“Observámos, de forma surpreendente, que todas as diferentes genéticas antes do tratamento estavam presentes após o tratamento. Portanto, não houve seleção baseada em genes. E questionámo-nos o porquê de aquilo acontecer. Percebemos que a quimioterapia estava a selecionar um estado celular muito específico. Algumas células estavam muito dormentes, de acordo com os marcadores que temos para aquele estado celular. Uma vez que a quimioterapia tem como alvo células que são muito ativas, essas células podem sobreviver ‘dormindo’ durante o tratamento.”

Crianças tratadas contra leucemia devem receber tratamento durante 2 a 3 anos; primeiro, há uma dose de indução de quimioterapia e depois segue-se um período de manutenção de longo prazo da terapia.

Segundo os cientistas, a próxima etapa é considerar como esta descoberta pode influenciar o tratamento da leucemia linfoblástica aguda do precursor de células B.

O investigador Mel Greaves sugere que os locais de tratamento podem usar testes sensíveis para células leucémicas dormentes no sangue no ponto final da terapia de manutenção – se ainda restarem células cancerígenas, isso é sinal que a terapia de manutenção tem de continuar.

Uma outra sugestão aposta noutra abordagem e “talvez seja contraintuitiva”.

“Em vez de esperarmos, administramos uma hormona para ativar todas as células cancerígenas dormentes. Ao tentarmos ativar as células dormentes e forçá-las de volta ao ciclo celular, o plano será administrar mais quimioterapia e eliminar todas de uma vez”, explicou Mel Greaves.

Ainda assim, o cientista confirma que este método é “potencialmente mais arriscado, pois a ativação precisa ser limitada às células cancerígenas e não às células saudáveis”.

Fonte: Institute of Cancer Research

Comments are closed.
Newsletter