Cancro infantil: ser avó de uma sobrevivente

“Não conseguimos impedir a nossa mente de temer o pior, mas precisamos de lutar contra esses pensamentos e ser positivos”

A frase é de Vivienne, uma avó inglesa cuja neta foi diagnosticada com leucemia linfoblástica aguda em 2014.

“A Alyssa tinha 7 anos quando foi diagnosticada com cancro. De um dia para o outro, ela fica muito inchada, com uma cor estranha”, lembra a avó.

Nesse mesmo dia, Angela, a mãe de Alyssa, dirigiu-se com a sua filha ao médico de família, onde foi aconselhada a levar a menina ao hospital.

“Eu estive aquele tempo todo em casa, colada ao telefone. Quando a minha filha me ligou, chorei. A Alyssa tinha sido encaminhada para o Hospital de Manchester depois de os médicos a terem diagnosticado com leucemia. Foi horrível. Eu tentei conter o choro, mas o sofrimento na voz da minha filha não me deixou. Não aguentei”, conta esta avó.

“Foi uma época de muita ansiedade.”

Vivienne esteve sempre ao lado da sua neta durante os tratamentos.

“Eu estou reformada e então fazia companhia à Alyssa enquanto a minha filha ia trabalhar. Depois aproveitava e ia limpar a casa, cozinhava, tentei fazer de tudo para os ajudar”.

“O cancro é algo que afeta toda a família”, reconhece esta avó que passou horas a consolar a sua filha.

“A Angela chorou muito, mas nunca ao pé da Alyssa. Eu fui mãe, amiga, conselheira, psicóloga…, mas voltaria a fazer tudo outra vez”.

Felizmente, Alyssa encontra-se em remissão.

“A minha neta está feliz. Está saudável. Felizmente. Agora temos de fazer de tudo, temos de ter todos os cuidados, para garantir que o cancro não volte a entrar nas nossas vidas”.

Fonte: Science Blog

Comments are closed.
Newsletter