Cancro infantil: o ponto fraco da medicina de precisão

Graças aos avanços da tecnologia e da genómica, hoje em dia sabemos muito mais sobre as reais causas do cancro.

A medicina de precisão, o conceito de dar o tratamento certo ao paciente certo na hora certa, é cada vez mais um dado adquirido no tratamento do cancro; mas existe um ponto fraco: as crianças com cancro não estão a beneficiar dos progressos que estão a ser feitos nesta área.

É necessário um renascimento, em grande escala, do desenvolvimento e atendimento de medicamentos pediátricos. E isso é necessário agora.

Investigadores e profissionais de saúde têm tentado combater as ameaças devastadoras do cancro nos últimos 70 anos.; no final da década de 1940, Sydney Farber e os seus colegas relataram tratar com sucesso a leucemia aguda em crianças com um novo medicamento chamado aminopterina. Na década de 1960, uma combinação eficaz de quimioterapias havia sido montada, renovando o otimismo na luta contra a leucemia linfoblástica aguda (LLA) – o cancro mais comum em crianças – e muitos outros tipos de cancro.

Essa mesma estratégia, quimioterapia combinada de altas doses é, ainda hoje, usada no tratamento deste tipo de leucemia.

Em 1964, apenas 3% das crianças diagnosticadas com leucemia linfoblástica aguda sobreviviam 5 anos após o diagnóstico; hoje, esse número é de cerca de 90%.

Mas as taxas de sobrevivência não contam a história toda…

Para 10% a 20% das crianças com leucemia linfoblástica aguda que sofreram uma recidiva ou desenvolveram resistência ao tratamento, as opções são limitadas. Aproximadamente 95% dos sobreviventes de cancro infantil desenvolvem uma ou mais condições crónicas de saúde aos 45 anos, como resultado do seu tratamento. E muitas crianças não sobrevivem ao cancro, sendo que a leucemia mieloide aguda (LMA) é particularmente fatal.

A inovação está atrasada para os pacientes mais jovens e mais vulneráveis. Apenas 4 tratamentos contra o cancro foram aprovados para o primeiro uso em crianças nos últimos 40 anos, em comparação com centenas aprovados para o tratamento de adultos durante esse mesmo período.

Durante muito tempo, as crianças foram tratadas com uma abordagem de tamanho único. Mas, à medida que aprendemos que a biologia do cancro é diferente em crianças e em adultos – impulsionada por diferentes mecanismos e com diferentes mutações -, há uma necessidade premente de terapias projetadas apenas para crianças.

É hora de mudar o padrão de atendimento de pacientes com cancro pediátrico.

Precisamos de confiar menos nas quimioterapias que danificam as células saudáveis, o que pode deixar os sobreviventes com problemas de saúde ao longo da vida, e promover tratamentos mais seguros e eficazes com base em medicamentos de precisão que visam o cancro sem prejudicar o resto do corpo.

Enquanto médica, tive muitas vezes que dar as más notícias a famílias desesperadas. Tive que dizer muitas vezes “o seu filho tem cancro”. Disse-o muitas vezes, mas nem quero imaginar como é ouvir essas palavras.

Enquanto investigadora, bati nas portas do governo, das empresas farmacêuticas e dos líderes da indústria, mas elas permaneceram fechadas porque não existiam incentivos suficientes para desenvolver medicamentos contra o cancro infantil.

E, enquanto médica chefe da Sociedade de Leucemia e Linfoma, deparo-me todos os dias com pacientes e famílias que foram devastadas física, emocional e financeiramente pelo impacto de longo alcance de um diagnóstico de cancro.

Mas há esperança…a aprovação do regulador de saúde norte-americano (FDA) em 2017 do Kymriah, uma terapia com células T do recetor quimérico do antígeno (CAR-T) para a leucemia linfoblástica aguda pediátrica, foi uma vitória histórica.

O progresso continua a avançar no campo das terapias CAR-T, para que sejam mais seguras e eficazes para todos os pacientes com cancro.

Olhando para o futuro, tanto para pacientes pediátricos quanto para adultos, será cada vez mais importante prever quem poderá colher o maior benefício terapêutico dessa abordagem inovadora.

Acredito que a medicina de precisão é o caminho a seguir para o progresso no tratamento do cancro infantil; mas será necessário um esforço global em larga escala para implantá-lo.

Precisamos de mais pesquisas dedicadas ao cancro infantil para acelerar os conhecimentos sobre os fundamentos moleculares desse grupo de doenças, e precisamos de modelos novos e eficientes de ensaios clínicos que colocarão as necessidades exclusivas das crianças na vanguarda do design do estudo.

Graças aos esforços arrojados e implacáveis ​​das gerações anteriores, as perspetivas para as crianças com cancro melhoraram. Mas não podemos parar por aqui.

As crianças merecem beneficiar da medicina de precisão e das novas terapias mais bem direcionadas e dos avanços científicos que estão a ser gerados para adultos com cancro.

As crianças não devem apenas sobreviver ao cancro, têm que prosperar depois dele.

Texto redigido por Gwen Nichols, diretora médica da Sociedade de Leucemia e Linfoma norte-americana

Fonte: Stat News

Comments are closed.
Newsletter