“Cada tumor é único”: a sequenciação genómica enquanto aliada da medicina de precisão

Investigadores do St. Jude Children’s Research Hospital, nos Estados Unidos, demonstraram que a sequenciação genómica abrangente de todos os pacientes pediátricos com cancro é viável e essencial para capitalizar o potencial de salvar vidas através da medicina de precisão.

Os resultados da investigação, realizada pelo St. Jude Genomes for Kids, foram publicadas na revista Cancer Discovery.

A sequenciação do genoma completo e do exoma completo do ADN da linha germinativa foi oferecida a todos os 309 pacientes que se inscreveram no ensaio clínico; o genoma completo, o exoma completo e a sequenciação de RNA do ADN do tumor foram realizados para os 253 pacientes para os quais estavam disponíveis amostras de tumor adequadas.

No geral, 86% dos pacientes tiveram, pelo menos, uma variação clinicamente significativa no tumor ou no ADN da linha germinativa – essas variações incluíram variantes relacionadas ao diagnóstico, prognóstico, terapia ou predisposição à doença oncológica.

Os cientistas estimaram que 1 em 5 pacientes tinha mutações clinicamente relevantes que não teriam sido detetadas através de métodos de sequenciação padrão.

“Algumas das descobertas mais clinicamente relevantes só foram possíveis porque a investigação combinou a sequenciação de todo o genoma com todo o exoma e com a sequenciação de RNA”, explicou Jinghui Zhang, um dos principais autores do estudo.

A sequenciação clínica abrangente que inclui o genoma completo, o exoma completo e a sequenciação de RNA não está amplamente disponível. Mas, à medida que a tecnologia se torna menos cara e acessível a mais pacientes, os cientistas acreditam que esta técnica se tornará uma adição importante no tratamento do cancro pediátrico.

“O que queremos é mudar a maneira como se pensa o cancro infantil. Com esta investigação, conseguimos mostrar o potencial da utilização de dados genómicos. Mesmo em cancros pediátricos comuns, cada tumor é único, cada paciente é único”, explicou David Wheeler, outro dos cientistas envolvidos na investigação.

“Este estudo mostrou a viabilidade de identificar vulnerabilidades tumorais e aprender a explorá-las para melhorar o atendimento ao paciente”.

O recurso a esta técnica permitiu a mudança no tratamento de 12 dos 78 pacientes do ensaio para os quais o tratamento padrão não havia sido bem-sucedido.

Em quatro dos 12 pacientes, as mudanças estabilizaram a doença e prolongaram a vida dos pacientes. Outro paciente, um com leucemia mieloide aguda, entrou em remissão e ficou curado depois de ter sido submetido a um transplante de células estaminais.

“Com o teste genómico, fomos capazes de identificar claramente as variações do tumor que poderiam ser tratadas com agentes direcionados, abrindo portas para como os oncologistas gerenciam os seus pacientes”, disse Kim Nichols, outro dos investigadores envolvidos.

A inscrição dos pacientes foi feita pela Genomes for Kids entre agosto de 2015 e março de 2017.

18% dos pacientes possuíam variações da linha germinativa num dos 156 genes conhecidos de predisposição ao cancro; quase dois terços das variações da linha germinativa identificadas não teriam sido detetadas com base nas diretrizes de triagem atuais.

A Genomes for Kids ajudou a lançar o programa de genómica no St. Jude Children’s Research Hospital; até ao momento, já foram matriculadas mais de 2 700 crianças com cancro.

Os dados gerados por esta investigação estão disponíveis gratuitamente para a comunidade de pesquisa internacional – ao partilhar os dados, o St. Jude Children’s Research Hospital está a tentar promover avanços na compreensão e no tratamento do cancro pediátrico. Os dados estão disponíveis na St. Jude Cloud.

“Mesmo os cancros considerados mais facilmente tratáveis também ​​não são curáveis ​​em todos os pacientes. Por exemplo, a recidiva continua a ser a principal causa de morte em crianças diagnosticadas com o tipo de cancro infantil mais comum, a leucemia linfoblástica aguda”.

Fonte: Eurekalert

Comments are closed.