A realidade do cancro infantil: a história de Sophia

A mãe de uma sobrevivente de cancro infantil divulgou uma fotografia comovente da sua filha para mostrar a “verdadeira realidade da doença”.

Sophia Soto, agora com 6 anos, foi diagnosticada com um neuroblastoma aos 14 meses de idade, após os médicos terem descoberto tumores oculares e renais na menina.

A fotografia divulgada por Rosie Soto, a mãe da pequena Sophia, foi tirada durante uma das várias rondas de tratamento da criança.

A imagem que representa “a realidade do cancro infantil”. – Fonte: Rosie Soto

“Aquela fotografia, para mim, representa a realidade do cancro infantil. Uma criança em sofrimento, rodeada de médicos”, conta Rosie.

“Quantas vezes vi aquele olhar na minha filha. Um olhar triste, zangado, com dores. Sempre que a via assim, questionava-me se estava a fazer a escolha certa.”

O início de uma luta

As preocupações de Rosie tiveram início quando Sophia começou a desenvolver hematomas nos olhos.

“Os médicos diziam que aqueles hematomas eram característicos de quedas, mas eu não me lembrava de ver a Sophia a cair. Aqueles hematomas apareciam sem explicação. Comecei a desesperar e decidi levá-la a um oftalmologista”.

Durante a consulta, o oftalmologista explicou a Rosie que suspeitava que Sophia tinha um cancro. A menina foi então submetida a uma ressonância magnética, onde se confirmou que os pequenos hematomas eram causados por tumores oculares.

Após mais exames, os médicos descobriram que Sophia também tinha tumores num dos seus rins, o que levou ao diagnóstico de neuroblastoma em estadio 4.

Depois de ter sido diagnosticada, em março de 2014, a criança de 14 meses foi submetida a 60 sessões de quimioterapia, 20 de radioterapia e a um transplante de células estaminais; tudo isto, durante um período de 6 meses.

Sophia durante os tratamentos. – Fonte: Caters News Agency

A chegada de boas notícias

Desde novembro de 2014 que Sophia está em remissão. A menina, que já não é submetida a qualquer tipo de tratamento, ainda não é considerada “livre de cancro”, pelo que continua a fazer exames de rotina a cada 6 meses.

Devido à sua localização, os tumores oculares de Sophia não puderam ser retirados cirurgicamente, mas “os médicos acreditam que os tumores são benignos. Caso fosse feita uma cirurgia, o risco de a minha filha ficar desfigurada era muito grande”, explica Rosie.

Ainda assim, a Sophia terá que ser acompanhada continuamente, de forma a prevenir eventuais complicações.

Sophia com os seus pais. – Fonte: Caters News Agency

Um futuro brilhante

“Quem olha para a Sophia, nunca diria que ela teve de lutar contra um cancro. Ela voltou a ser a menina que era, alegre, divertida e feliz”.

A criança, agora com 6 anos, adora dançar. O seu sonho é ser veterinária.

“A única coisa que posso dizer aos pais que estão agora a passar pelo mesmo que eu passei é que não desistam. Não podemos desistir nunca. Temos que permanecer positivos, acreditar que vai correr tudo bem.”

“Ainda assim”, diz Rosie, “eu sei que é fácil falar. A verdade é que cada pessoa reage de maneira diferente a um diagnóstico de cancro infantil. Cada caso é um caso”.

No futuro, Rosie espera continuar a ver Sophia “a crescer saudável e a concretizar todos os seus sonhos”.

Quando for grande, Sophia quer ser veterinária. – Fonte: Caters News Agency

Fonte: 7NEWS Au

Comments are closed.
Newsletter