A importância de combater as desigualdades no cancro infantil

As desigualdades no acesso a melhores cuidados, a experiência e o conhecimento disponíveis para crianças e jovens com cancro continuam a ser uma questão crítica em toda a Europa.

Essas desigualdades contribuem para diferenças de 20% nas taxas de sobrevivência, quando se comparam os resultados da Europa do Norte e Ocidental com os da Europa Central e Oriental.

Existe uma necessidade fundamental de garantir que os centros de tratamento de cancro infantil atendam a um determinado nível padrão de conhecimento e atualizem continuamente as suas “melhores práticas”.

A Europa precisa de reconhecer que o cancro infantil continua a ser uma questão urgente de saúde e socioeconómica.

Mais de 35 mil crianças e jovens são diagnosticadas com cancro todos os anos na Europa; apesar dos avanços feitos ao nível dos tratamentos nos últimos anos, o cancro continua a ser a principal causa de morte em crianças com mais de 1 ano neste continente. Esta é uma doença que também acarreta custos socioeconómicos substanciais, nomeadamente com o meio milhão de sobreviventes que sofrem efeitos secundários a longo prazo.

A comunidade da Sociedade Europeia de Oncologia Pediátrica (SIOP Europe), em cooperação com a Childhood Cancer International – Europe, tem uma agenda política europeia bem definida para o cancro pediátrico, agenda essa que reúne um apoio político substancial.

A igualdade de acesso a melhores cuidados e pesquisas disponíveis para todos os pacientes, em toda a Europa, é um pilar fundamental desta agenda.

A nossa comunidade já está a conduzir iniciativas importantes para reduzir as grandes desigualdades na pesquisa, tratamento e assistência ao cancro pediátrico, como se demonstra pelo trabalho desenvolvido com a Rede Europeia de Referência em Cancro Pediátrico (ERN PaedCan).

Apoiado pelo Programa de Saúde da União Europeia, o ERN PaedCan tem como objetivo reduzir as desigualdades na sobrevivência ao cancro, fornecendo assistência médica transfronteiriça de alta qualidade, acessível e com bom custo-benefício para crianças e adolescentes com cancro, independentemente de onde residam na Europa.

Além disso, estabelecemos uma parceria na realização de uma ação conjunta financiada pelo Programa de Saúde da União Europeia sobre cancros raros (JARC); o JARC está a abordar a falta de inclusão sistemática dos cancros raros, incluindo neoplasias pediátricas, nos Planos Nacionais de Cancro por toda a Europa e assegurando a implementação e sustentabilidade apropriadas das Redes Europeias de Referência.

Como uma coleção de doenças raras, fica claro que a pesquisa colaborativa transfronteiriça sustenta todo o progresso no tratamento do cancro infantil.

Os esforços de investigação concentrados ao nível da União Europeia têm um grande potencial para desbloquear e acelerar o progresso terapêutico.

Trabalharemos com todas as partes interessadas para garantir que as necessidades dos pacientes com cancro infantil, ou seja, acesso igual ao melhor tratamento, assistência e pesquisa inovadora, estejam na vanguarda.

O nosso objetivo final é que todos os pacientes com cancro infantil na Europa tenham igual acesso aos melhores padrões de tratamento e cuidados disponíveis, independentemente do país de origem ou residência.

Texto redigido por Pamela Kearns, presidente da SIOP Europe

Fonte: The Parliament Magazine

Comments are closed.